⁠⁠⁠⁠⁠Pernambuco sedia encontro de secretários de Saúde do Nordeste

Reunião, nesta sexta-feira, discute principais problemas do setor na Região e encaminhamentos de demandas comuns para discussão com o Ministério da Saúde

Pernambuco está sediando, nesta sexta-feira (09/06), o Encontro de Secretários de Saúde dos Estados do Nordeste, promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). O evento acontece no auditório da Secretaria de Administração do Estado (SAD), no bairro do Pina, no Recife. No período da manhã, estão sendo apresentadas as experiências exitosas do SUS. Além dos secretários de sete dos noves Estados, a reunião conta com a presença do presidente do CONASS e secretário de Saúde do Paraná, Michele Caputo Neto, do secretário executivo do Conselho, Jurandir Frutuoso, e do secretário executivo do Ministério da Saúde (MS), Antônio Nardi.

“Os secretários de Saúde do Nordeste estão hoje aqui dando um exemplo para o resto do país. Nós temos nossas identidades, peculiaridades, mas temos muitos problemas em comum e tem muita coisa boa acontecendo em todos os cantos do país. Essas experiências precisam ser compartilhadas e conhecidas. Através delas é possível que a gente avance, olhando e aprendendo com elas. A defesa do SUS se dá em cima das competências que são desenvolvidas e dos resultados em prol da saúde das pessoas”, ressaltou o presidente do CONASS, Michele Caputo Neto.

Anfitrião do encontro, o secretário de Saúde de Pernambuco, Iran Costa, apresentou programas de destaque em Pernambuco, entre eles o Comitê de Prevenção aos Acidentes de Moto e o Programa Sanar de combate às doenças negligenciadas, além do modelo híbrido de gestão das unidades de Saúde. O secretário alagoano, Carlos Christian Reis Teixeira, mostrou a experiência do Hospital do Coraçãozinho, unidade inaugurada em 2016, que é voltada exclusivamente para os casos cardiopediátricos. A secretária de Saúde da Paraíba, Cláudia Luciana Veras, também destacou a assistência de cardiologia às crianças com a Caravana do Coração, promovido pelo Governo paraibano, além da assistência às crianças com microcefalia provocada pelo Zika Vírus – o maior alerta de saúde global dos últimos tempos, que atingiu todo o Brasil, mas principalmente o Nordeste. Pernambuco foi pioneiro no diagnóstico dos casos, no atendimento às crianças e suas famílias e para a confecção dos protocolos de saúde, que foram referência para o Brasil e outros países.

A Síndrome Congênita do Zika ainda foi o tema da apresentação do secretário Piauiense, Florentino Neto, que relatou a implantação e descentralização da assistência às crianças. Fábio Vilas Boas, secretário da Bahia, apresentou os consórcios de Saúde no Estado e o gestor do Ceará, Henrique Jorge Javi de Souza, falou sobre o programa geral de ações e serviços de saúde, atuando como uma câmara de compensação entre os municípios cearenses. Já o secretário do Rio Grande do Norte, George Antunes de Oliveira, relatou sobre a experiência de reestruturação do Fundo Estadual de Saúde, que contou com o apoio decisivo do CONASS.

Já o secretário executivo do Ministério da Saúde (MS), Antônio Nardi, fez uma explanação sobre as medidas do órgão para ajudar os estados de Pernambuco e Alagoas, que foram atingidos por fortes chuvas e alagamentos nas últimas semanas. O MS já enviou 51 kits de medicamentos e insumos para os dois Estados, sendo 27 para Alagoas e 24 para Pernambuco. Cada kit tem capacidade para atender 1,5 mil pessoas por um mês e contém 48 itens, sendo 30 medicamentos, tais como antibióticos, analgésicos, antitérmicos, anti-inflamatórios, analgésicos, corticóides, vermífugos, entre outros. Há, ainda, 18 insumos, como esparadrapos, seringas, luvas e hipoclorito de sódio. O Ministério ainda enviou, para os dois Estados, a Força Nacional do SUS com o objetivo de prestar apoio às regiões afetadas.

Os gestores estaduais ainda discutiram os principais problemas do setor de Saúde na Região, como o financiamento do SUS, a judicialização do setor, o impacto da epidemia de acidentes de moto sobre as redes estaduais e as ações de prevenção à saúde para a população atingida pelas fortes chuvas das últimas semanas.

“O subfinanciamento do SUS é o nosso principal problema. O Brasil investe 8% do PIB na saúde quando a média da América do Sul é em torno de 12% a 13%. Os Estados do Nordeste investem, em média, 14%, Pernambuco investe cerca de 16%. Nós temos países como o Estados Unidos investindo 25%, a Alemanha 23%, então esse é um grande impasse no Brasil. Mas também não adianta melhorar o financiamento se não melhorar a gestão, se não desburocratizar. Essa é uma reunião pioneira que busca experiências exitosas e que estão dando certo, ao mesmo tempo que a gente faz uma cobrança da resolução dos problemas”, ressalta o secretário de Pernambuco, Iran Costa.

Um novo encontro dos secretários de Saúde do Nordeste já está agendado para ocorrer dentro de três meses, em Fortaleza, no Ceará. O objetivo é que as reuniões ocorram a cada trimestre, em capitais diferentes.

Fonte: Ascom SES/PE

Foto: Miva Filho – SES/PE

<-Voltar