Brasil contribui em ação de vacinação no Haiti

O Brasil, por meio do Ministério da Saúde, está apoiando mais uma ação voltada para a saúde no Haiti. Neste sábado, 21 de abril, uma equipe brasileira vai acompanhar a campanha de vacinação, que vai até o dia 5 de maio. Nesse período, deverão ser vacinadas 2,3 milhões de crianças de 9 meses a 9 anos contra o sarampo e a rubéola, e 2,5 milhões de crianças de 0 a 9 anos contra a poliomielite.

A ação faz parte do Projeto Tripartite (Brasil-Cuba-Haiti) e Projeto de Cooperação Sul-Sul de Fortalecimento da Autoridade Sanitária do Haiti. O auxílio brasileiro ao Haiti utiliza recursos extraordinários do Ministério da Saúde aprovados pelo Congresso Nacional em 2010, conforme a Lei 12.239, para operações de assistência especial no exterior e assistência humanitária ao Haiti, em iniciativas voltadas para a saúde.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, lembra que essas ações também evitam que problemas de saúde sejam introduzidos no Brasil, além de ajudar uma população que tenta se recuperar depois do terremoto de 2010. “O governo brasileiro também apoia ações no Haiti, que foram decisivas para a redução de casos cólera. Agindo em parceria com o governo haitiano e promovendo ações nas fronteiras, reduzimos o risco de introdução de doenças no Brasil”, conclui Padilha.

Um dos principais parceiros internacionais para a campanha, o Brasil doou três milhões de doses da vacina oral contra a poliomielite, disponibilizou 15 veículos com motorista e combustível para distribuir vacinas e oferecer suporte técnico com três enfermeiros brasileiros com experiência em campanhas em áreas de difícil acesso no Brasil. O Ministério da Saúde ajudou também na divulgação da campanha, com a utilização de 20 mil balões para sensibilizar as crianças e com comunicação visual para mobilização social.

Vacinas – O Brasil também está investindo na recuperação física de 30 áreas de armazenamento de vacinas em todo território haitiano. O investimento também garante a aquisição de 125 geladeiras e a instalação de equipamentos para a Rede de Frio do Programa Ampliado de Vacinação do Haiti.

Em março deste ano, o Ministério da Saúde doou 4.349.000 doses de vacinas BCG (formas graves de tuberculose), Pólio (poliomielite), DPT (difteria, tétano, coqueluche) e DT (difteria e tétano). Deste quantitativo, 1,5 milhão de doses de vacinas contra a pólio serão utilizadas nesta campanha. Para a aquisição destas vacinas, o Ministério da Saúde investiu 1,4 milhão de dólares, além de 54 mil dólares no transporte dos produtos, que contou com o apoio da Organização Panamericana da Saúde.

Reconstrução de um País – Os ministérios da Saúde do Brasil e de Cuba atuam em ações conjuntas na reconstrução do setor no Haiti. Desde 2004, por mandato da Organização das Nações Unidas (ONU), o Brasil chefia a Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH). Além de manutenção da paz, exerce ajuda humanitária, ampliada depois do terremoto de janeiro de 2010 naquele país.

Dos R$ 135 milhões garantidos em lei para repasse do governo brasileiro ao Haiti, R$ 69,9 milhões foram executados em 2011 em ações de saúde, agricultura e defesa. Entre as ações coordenadas pelo governo brasileiro estão a recuperação de dois laboratórios (já em fase avançada) e a construção de quatro unidades de saúde; aquisição de equipamentos e insumos de saúde – como a entrega de tratamentos para o cólera e de 30 ambulâncias, ocorrida em 2011 –; bolsas para capacitação de 2 mil agentes comunitários e 500 técnicos em saúde. Como um dos resultados do trabalho do governo brasileiro na qualificação da gestão assistencial e de vigilância epidemiológica, o Haiti deverá ter no primeiro semestre do ano uma campanha de vacinação massiva contra poliomielite, sarampo e rubéola.

Fonte: Rodrigo Abreu / Agência Saúde

Fonte: ERproductions Ltd/Blend Images/Corbis

<-Voltar