Cabral e Côrtes recebem prêmio pelo tratamento a pacientes com hanseníase

Ex-presidente Lula também é homenageado. RJ vem registrando avanços no controle e assistência aos pacientes com hanseníase e hoje registra números abaixo da média nacional de casos da doença, com menos de um por 10 mil habitantes

Durante o 14º Encontro Nacional do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), na noite desta quarta-feira, dia 27, o governador Sérgio Cabral e o secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, receberam o prêmio Bacarau, em homenagem às contribuições para garantia dos direitos humanos das pessoas atingidas pela hanseníase. Entre os homenageados também estava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O estado do Rio de Janeiro vem registrando avanços no controle e assistência aos pacientes com hanseníase e hoje registra números abaixo da média nacional de casos da doença, com menos de um por 10 mil habitantes. Em 2012, um projeto de lei, de autoria do governador, determinou a indenização mensal a ex-pacientes de hanseníase, que durante a fase do isolamento compulsório dos portadores da doença, trabalharam gratuitamente no Instituto Estadual de Dermatologia Sanitária, antiga Colônia de Curupaiti, em Jacarepaguá, e no Hospital Estadual Tavares Macedo, antiga Colônia Tavares de Macedo, em Itaboraí.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) está investindo na reforma do Instituto Estadual de Dermatologia Sanitária, antiga colônia de Curupaiti, com o objetivo de melhorar a assistência aos pacientes atendidos no local. Também está em andamento à reestruturação do Hospital Estadual Tavares de Macedo para atender, em especial, idosos portadores de hanseníase.

A subsecretaria de Vigilância em Saúde da SES, através da gerência de Dermatologia, promove capacitações para todos os municípios do estado que abordam o diagnóstico e o tratamento da doença, promovendo a atualização dos médicos, divulgando ações de controle, prevenção das incapacidades, gerência e capacitação de enfermeiros para atuarem como multiplicadores entre os agentes de saúde, entre outros assuntos. A ideia é descentralizar o atendimento da hanseníase, permitindo que os municípios estejam aptos para o tratamento da doença, facilitando, com isso, a detecção dos casos e a terapêutica precoce.

Além disso, em agosto de 2012, a SES promoveu um mutirão de cirurgias preventivas e reabilitadoras de pacientes com hanseníase. A hanseníase é uma doença silenciosa, que, muitas vezes, se manifesta com sintomas pouco valorizados pelos pacientes e que pode causar incapacidades e deformidades se não for tratada precocemente.

SES/RJ

<-Voltar