CI n. 78 – Publicada a PRT GM n. 356 que publica a proposta de Projeto de Resolução “Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos”

 

Publicada a PRT GM n. 356 que publica a proposta de Projeto de Resolução “Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos”.

 

PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014

 

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e

 

Considerando o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no MERCOSUL, Bolívia e Chile e a as Resoluções nº 13/07 do Grupo Mercado Comum;

 

Considerando que é necessário contar com Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos e que as mesmas são de importância para o funcionamento de nossos sistemas de saúde; e

 

Considerando o estabelecido no Projeto de Resolução nº 11/13 da XL Reunião Ordinária do SGT nº 11 “Saúde”, realizada em Montevidéu, Uruguai, no período de 8 a 12 de abril de 2013, resolve:

 

Art. 1º – Publicar a proposta de Projeto de Resolução “Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos” que consta como anexo.

 

Art. 2º – Declarar aberto, a contar da data de publicação desta Portaria, o prazo de 60 (sessenta) dias para que sejam apresentadas críticas e sugestões relativas ao texto.

 

Art. 3º – As contribuições deverão ser encaminhadas, por escrito, para Ministério da Saúde/Assessoria de Assuntos Internacionais de Saúde, Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Ed. Sede, 4º andar, sala 445, CEP. 70058-900, Brasília/DF; e-mail: aai@saude.gov.br, telefones (61) 3315-2184 e 3315-2768; Fax (61) 3224-0014 e para ANVISA/Núcleo de Assessoramento em Assuntos Internacionais – Sede Única – SAI Trecho 5, Área Especial 57, Lote 200 – Bloco “D” – Brasília/DF. CEP 71205-050 – Tel.: (61) 3462-5406 – Fax: (61) 3462-5414; e-mail: articula.rel@anvisa.gov.br.

 

Art. 4º – Findo o prazo estabelecido no artigo 2º desta Portaria, a Assessoria de Assuntos Internacionais de Saúde do Ministério da Saúde, por intermédio da Comissão de Serviços de Atenção à Saúde, articular-se-á com os órgãos e entidades que fornecerem sugestões, para que indiquem representantes para discussões referentes ao assunto, visando à consolidação do texto final no foro pertinente do Subgrupo de Trabalho nº 11 “Saúde” para fins de posterior discussão e aprovação no âmbito do Grupo Mercado Comum (GMC) do MERCOSUL, com vigência em todo o território nacional.

 

ARTHUR CHIORO

 

ANEXO

 

MERCOSUL/XL SGT Nº 11/P.RES. Nº 11/13

 

BOAS PRÁTICAS EM PROCEDIMENTOS PARA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVICOS DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

 

TENDO EM VISTA:

O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, o Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no MERCOSUL, Bolívia e Chile e a as Resoluções nº 13/07 do Grupo Mercado Comum.

 

CONSIDERANDO:

Que é necessário contar com Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos e que as mesmas são de importância para o funcionamento de nossos sistemas de saúde.

 

O GRUPO MERCADO COMUM RESOLVE:

Art. 1º Aprovar as “Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos”, que constam como Anexo e fazem parte da presente Resolução.

 

Art. 2º As Boas Práticas constantes nesta Resolução deverão orientar normativas de organização e funcionamento de serviços de transplante de órgãos, podendo ser acrescentados outros requisitos na normativa nacional ou local de acordo com a realidade de cada Estado Parte.

 

Art. 3º Os organismos nacionais competentes para a im-plementação da presente Resolução são: Argentina: Ministerio de Salud Brasil: Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e Ministério da Saúde Uruguai: Ministerio de Salud Venezuela: Ministerio del Poder Popular para la Salud

 

Art. 4º – Esta Resolução deverá ser incorporada aos or-denamentos jurídicos dos Estados Partes antes de ……..XL SGT Nº 11 – Montevidéu, 12/IV/13.

 

ANEXO

 

BOAS PRÁTICAS EM PROCEDIMENTOS PARA ORGA-NIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS SERVIÇOS DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS

 

1. OBJETIVO

Estabelecer Boas Práticas em procedimentos para organi-zação e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos.

 

2. DEFINIÇÃO

Os programas de transplante de órgãos (coração, pulmão, fígado, pâncreas, intestino e rim) estão destinados ao atendimento de pacientes em lista de espera para transplante e de acompanhamento pós-transplante e, portanto, exigem instituições que possuam infraestrutura, equipe de profissionais especificamente capacitados, equi-pamento específico e outras tecnologias necessárias para o diagnóstico e tratamento.

 

3. REQUISITOS

3.1 Documentar e cumprir com os requisitos legais e prin-cípios éticos e de qualidade estabelecidos pela OMS.

 

3.2 Todo Programa de Transplante de órgãos, público ou privado deve inserir-se em um estabelecimento de saúde que tenha Habilitação ou Licença de Funcionamento, expedida pelo órgão sa-nitário competente.

 

3.3 Toda instituição com programa de transplante deverá implementar as ações necessárias a fim de assegurar o funcionamento de uma unidade de procura de órgãos e tecidos com atividade per-manente.

 

3.4 A construção, reforma ou adaptação na estrutura física das áreas destinadas ao transplante ou à internação do paciente no pós-transplante deve estar precedida da aprovação do projeto pelo órgão sanitário competente.

 

3.5 É responsabilidade da administração do estabelecimento de saúde prever e prover os recursos humanos, equipamentos, ma-teriais e medicamentos necessários à operacionalização dos Progra-mas de Transplantes de órgãos.

 

3.6 A direção do estabelecimento de saúde e o Chefe da equipe de transplante têm a responsabilidade de planejar, implementar e garantir a qualidade dos processos.

3.7 Cada Programa de Transplante deve dispor de instruções escritas e atualizadas das rotinas técnicas implantadas.

 

3.8 As rotinas técnicas devem ser elaboradas conjuntamente com os serviços envolvidos na assistência ao paciente, assegurando a assistência integral e a interdisciplinaridade.

 

3.9 Um Programa de Transplante de órgãos deve:

3.9.1 possuir uma estrutura organizacional documentada.

3.9.2 preservar a identidade e a privacidade do paciente, assegurando um ambiente de respeito e dignidade.

3.9.3 promover um ambiente acolhedor.

3.9.4 incentivar e promover a participação da família na atenção ao paciente crítico.

3.9.5 prover orientações aos familiares, em linguagem clara, sobre o estado de saúde do paciente e a assistência a ser oferecida, desde a admissão até a alta.

 

4. RECURSOS HUMANOS

4.1 Todo Programa de Transplante de órgãos deve dispor da seguinte equipe:

4.1.1 Um Chefe e Subchefe de Equipe médica, legalmente habilitado como especialista na especialidade cirúrgica ou clínica correspondente ao órgão a ser transplantado, específico para a mo-dalidade de assistência adulto ou pediátrico.

4.1.2 O médico com cargo de chefia e subchefia do programa de transplante somente pode assumir a responsabilidade por um único Programa de Transplante, podendo ser integrante de outros programas de transplante do mesmo órgão.

4.1.3 O chefe ou subchefe de equipe poderão sê-lo de mais de um programa de transplante de órgãos quando estes correspondam a órgãos diferentes.

4.1.4 Em caso de ausência do Chefe de Equipe, o Subchefe será o profissional legalmente habilitado para substituí-lo.

4.1.5 A equipe de profissionais de um programa de trans-plante de órgãos deverá assegurar a avaliação pré-transplante e o acompanhamento posterior ao mesmo dos pacientes sob sua aten-ção.

4.1.6 A equipe de profissionais deverá estar conformada pre-ferentemente por dois médicos com especialidade cirúrgica e dois profissionais clínicos, em ambos os casos com especialidade do órgão a transplantar.

 

4.2 O Chefe de equipe será responsável por implementar e manter registros de programa de educação permanente para toda a equipe de profissionais do programa de transplante que dirige.

 

4.3 A capacitação de experiência cirúrgica e clínica em transplante dos integrantes da equipe de transplante deve ter sido adquirida nos 5 anos prévios à data em que for solicitada a au-torização para tal prática junto à Autoridade Sanitária competente.

 

4.4Serão obrigações do chefe de equipe:

4.4.1 Cumprir e fazer cumprir as normas e atos administrativos vinculados com as leis vigentes que regulem a atividade de doação e transplante no país em que realizem a mencionada prática, bem como as disposições de caráter administrativo emanadas da Direção do estabelecimento assistencial no qual realizem as práticas médico-cirúrgicas.

Cumprir em tempo e forma com as disposições relativas aos registros, protocolos e relatórios médicos e estatísticos contemplados nas normas citadas no item acima e em outras resoluções ou disposições ditadas na matéria, assegurando a mencionada informação aos Organismos Nacionais de Doação e Transplante, garantindo a adequada informação aos pacientes.

4.4.2 Coordenar as ações dos integrantes da equipe a seu cargo para fins do estrito cumprimento das leis vigentes, garantin-do:

a – a operatividade dos mesmo durante as vinte e quatro (24) horas nos trezentos e sessenta e cinco (365) dias do ano e

b – a qualidade do atendimento aos pacientes inscritos na lista de espera para transplante ou transplantados.

4.4.3 Propor as alterações de sua equipe no momento que julgar necessário, devendo informar dentro das quarenta e oito (48) horas por meio fidedigno as baixas ou novas incorporações de seus integrantes, a fim de ser tramitadas como novas autorizações.

4.4.4. Documentar a aceitação ou não do paciente para a mudança de centro de transplante por falta de operatividade da equipe, a qual deverá ser notificada ao Organismo Nacional de Doação e Transplante competente, sendo solidariamente responsável de seu cumprimento o Diretor Técnico/Médico do estabelecimento.

 

5. INFRAESTRUTURA FÍSICA E EQUIPAMENTO

5.1 Toda instituição solicitante deverá encontrar-se previamente habilitada como estabelecimento assistencial pela Autoridade Sanitária correspondente.

 

5.2 Requisitos a cumprir pelos estabelecimentos públicos ou privados que contam com serviços destinados à retirada e implantação de órgãos:

5.2.1 Centro cirúrgico adequado e disponível destinado a transplante de órgãos, com instrumental cirúrgico apropriado e suficiente, equipe de monitorização, cardioversão, estimulação elétrica cardíaca e perfusão vascular;

5.2.2 As instituições nas quais funcionem programas de transplante de órgãos deverão contar com os serviços relacionados a seguir:

 

 

Coração

Fígado

Pâncreas

Pulmão

Rim

Rim/Pâncreas

Intestino

Ambulatório para acompanhar os pacientes transplantados

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Cineangiocardiografia

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Ecocardiografia Bidimensional com medidor direcional de fluxo

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Eletrocardiografia Convencional e Dinâmica

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Emergência Cardiológica funcionando durante as 24 horas do dia

 

X

 

 

 

 

 

X

 

 

 

 

 

 

Radiologia Convencional e Vascular

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Fisiologia Respiratória

 

X

 

 

 

 

 

X

 

 

 

 

 

 

Serviço de Endoscopia

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Endoscopia Digestiva Alta

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Fisioterapia

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Hemodinâmica

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Serviço de Hemoterapia com capacidade de atender a necessidade de grandes quantidades de sangue e hemoderivados

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Radiologia Convencional

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Radiologia Intervencionista com recursos diagnósticos e terapêuticos nas áreas vascular e de vias biliares

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Gamacâmara em serviço próprio ou prestado por terceiros

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Tomografia Computadorizada

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Ultrassonografia com medidor convencional e Doppler Colorido

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Sistema de Circulação Extracorpórea com bombas centrífugas

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Sistema de Infusão Controlada de fluídos com bombas de infusão rápida

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Sistema de Infusão de Sangue

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Sistema de Monitorização da Coagulação Sanguínea

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Diálise para Pacientes Agudos

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Unidade Coronariana

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Unidade de Tratamento Dialítico próprio ou terceirizado

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Unidade de Hemofiltração próprio ou prestado por terceiros

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Serviço de Fibrobroncoscopia

 

X

 

X

 

X

 

X

 

 

 

X

 

X

Laboratório de Histocompatibilidade próprio ou prestado por terceiros

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

 

X

Os serviços prestados por terceiros devem estar formalizados por meio de um contrato e cumprir com a normativa nacional vigente.

5.2.3 Deverá contar com duas (2) áreas de internação:

– Unidade de cuidados intensivos, destinada a pacientes no pós-operatório imediato ou em situação de complicação e risco, isolados dentro do setor que corresponder; – Área de internação clínica, com isolamentos adequados à situação exigida pelo quadro clínico do paciente.

5.2.4 Serão consideradas como serviço aquelas áreas, setores ou unidades operacionais que representem o conjunto de recursos humanos (profissionais, técnicos e administrativos), tecnológicos, de equipamento e de infraestrutura que, organizados adequadamente, permitam o funcionamento regular e permanente do mesmo, garantindo a resolução dos casos e procedimentos médicos que se apresentem, de quaisquer complexidade;

 

5.3 Os Programas de transplante de órgãos devem dispor de infraestrutura física com ambientes e instalações necessárias para a assistência e a realização dos procedimentos com segurança e qualidade.

 

6. REQUISITOS E CRITÉRIOS PARA A RENOVAÇÃO DE UTORIZAÇÃO/HABILITAÇÃO

– Os períodos para a renovação de autorização/habilitação deverão observar a legislação vigente em cada país

– A fim de proceder à renovação de autorização/habilitação de estabelecimentos e recredenciamento de chefes, subchefes e integrantes de equipes, será necessário cumprir com os seguintes requisitos:

6.1- Nova vistoria satisfatória da infraestrutura assistencial e avaliação da atividade da unidade de procura.

 

6.2 Cumprimento dos requisitos legais e normativos quanto a quantidade e tipo de recursos humanos.

 

6.3 Cumprimento efetivo dos requerimentos de informação solicitados pela Autoridade Sanitária competente.

 

6.4 Cumprimento, por parte do Diretor do estabelecimento e do chefe de equipe de transplante, do encaminhamento ao Organismo Nacional de Doação e Transplante correspondente de todas as informações referidas a inscrição e baixa de pacientes em lista de espera, bem como a transplante e acompanhamento posterior, tudo o qual deverá ser consignado nos protocolos próprios.

 

6.5 Os programas que solicitem reabilitação deverão comprovar ter efetuado atividade de transplante com doador vivo e/ou cadavérico durante os dois (2) anos prévios à solicitação.

 

6.6 A avaliação dos resultados de cada programa conforme os padrões nacionais que cada país através da Autoridade competente estabelecerá e que terão em conta:

a-o número de transplantes efetuados,

b-a relação ofertas/recusas de órgãos para transplante,

c-a sobrevida do enxerto e do paciente.

<-Voltar