Cobertura universal ou sistemas públicos universais de saúde?

Artigo do assessor para Relações Internacionais do CONASS, Fernando Passos Cupertino Barros, publicado pelos Anais do Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Lisboa.

O artigo aborda as controvérsias suscitadas pela proposta de cobertura universal de saúde em detrimento da noção consolidada de sistemas públicos universais. Para tanto, o autor recorre a uma síntese histórica sobre a incorporação da saúde como assunto afeto ao Estado, além de relembrar as formas pelas quais as políticas públicas de saúde foram concebidas, tanto no sentido universal e público, quanto no sentido fragmentado. Além disso, evoca a saúde como direito humano fundamental, assim considerado pelo Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas, em 2000, o que cedeu lugar a uma proposta de “cobertura universal”, cujas primeiras menções se deram em 2005, mas que se consolidou e foi adotada pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, em 2012. Apresenta, no final, as críticas e os potenciais riscos de se abandonar o ideal de sistemas públicos universais para se adotar a noção de cobertura universal.

Confira aqui o artigo na íntegra.

<-Voltar