Conheça mais sobre o curso Doenças Endócrino-Metabólicas e Nutrição

unasusUniversidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), integrante da Rede UNA-SUS, está com inscrições abertas para o curso online Doenças Endócrino-Metabólicas e Nutrição até 13 de março de 2017, nesse link. O público-alvo são profissionais e gestores da área da saúde atuantes no SUS, mas também é aberto para estudantes e demais interessados no tema. 

O curso traz informações sobre a avaliação nutricional no tratamento de doenças relacionadas com a produção de hormônios, originadas a partir de vários fatores, mas que podem ser prevenidas ou controladas. O foco são orientações alimentares para pacientes com obesidade, diabetes mellitus ou síndrome metabólica – que consiste em um conjunto de doenças associadas a resistência à insulina.

Ofertado de forma autoinstrucional (sem tutoria), esse curso é um dos módulos educacionais de capacitação que compõem os Programas de Valorização da Atenção Básica (PROVAB) e Mais Médicos. É composto por sete unidades e a carga horária é de 15h.

Segundo estudo do Imperial College de Londres, publicado em abril desse ano na revista Lancet, a obesidade afeta 13% da população mundial adulta, mais de 641 milhões de pessoas.

De acordo com relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), publicado no mesmo mês, mais de 422 milhões de adultos são portadores de diabetes. No Brasil, são mais de 16 milhões de brasileiros vivendo com a doença, sendo que a maioria são mulheres.

Com o lançamento da publicação, a OMS destacou que os governos devem voltar a atenção para a prevenção, diagnóstico e tratamento da diabetes, assegurando que as pessoas possam fazer escolhas alimentares mais saudáveis, promovendo a prática de exercícios físicos e evitando excesso de peso. Sendo assim, profissionais de saúde devem estar preparados para o atendimento qualificado dessas populações.

Para a professora doutora em nutrição da UERJ, Annie Bello Moreira, a literatura especializada aponta que a dieta é o principal fator de risco modificável. “A mudança do padrão alimentar é uma medida de baixo custo e alto impacto na saúde da população”, afirma. Annie ressalta ainda a importância da identificação dos alimentos, a quantidade consumida e a forma de preparo, além da avaliação do comportamento alimentar, considerando a maneira como o paciente se alimenta, se come, por exemplo, de forma rápida, distraída, compulsiva ou ansiosa. “Fazer um adequado diagnóstico é o primeiro passo para a transformação e mudança no rumo da doença, apontando para a saúde”, explica Annie, que também é uma das responsáveis pelo conteúdo do curso.  

A estudante de medicina, Izabel Coelho, reside em Divinópolis/MG e aproveitou a possibilidade do curso ser ofertado à distância para se matricular. Ela conta que a capacitação permitiu ainda que ela aprofundasse seus conhecimentos em temas abordados superficialmente na graduação. “Com o conteúdo do curso foi possível dar orientações mais consistentes aos pacientes e também adquirir hábitos mais saudáveis para minha vida”, relata. 

O conteúdo do curso também traz tópicos da Política Nacional de Alimentação e Nutrição (PNAN), ação que objetiva contribuir com a melhora das condições de alimentação, nutrição e saúde da população brasileira. Entre as estratégias da Política, destacam-se a promoção de práticas alimentares adequadas e saudáveis, a vigilância alimentar e nutricional, a prevenção e o cuidado integral dos agravos relacionados à alimentação e nutrição.

Fonte: SE/UNA-SUS, com informações da UNA-SUS/UERJ

 

<-Voltar