CONASS trabalha pelo fortalecimento das Escolas Estaduais de Saúde Pública

CONASS trabalha pelo fortalecimento das Escolas Estaduais de Saúde Pública

No dia 23 de agosto, representantes de Escolas Estaduais de Saúde Pública e da Câmara Técnica do Conass de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (CTGTES) se reuniram  para dar prosseguimento ao projeto de elaboração de propostas e ações para o fortalecimento dessas escolas em todo o país. “Nosso objetivo é desenvolver um plano de ação com base nas deficiências e nas necessidades de intervenção identificadas por meio do diagnóstico realizado por esse grupo”, destacou o assessor técnico do Conass, Haroldo Pontes. 

Segundo a superintendente de Educação em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás, Rafaela Veronese, muitos problemas são comuns às escolas, assim como as soluções que podem ser compartilhadas. “A compilação das propostas com certeza trará  benefícios e o alinhamento das ações de educação em saúde nos estados”, disse, ressaltando que será possível trabalhar de forma homogênea e com mais reconhecimento dentro das secretarias estaduais de saúde. “Apesar de não lidarmos diretamente com o usuário, muitas ações que executamos impactam na assistência”, frisou.

Para João André Tavares, da Escola de Saúde Pública de Minas Gerais, a expectativa do grupo é organizar uma proposta que atenda tanto aos problemas comuns, porém determinados por realidades diferentes. “As causas dos  problemas nem sempre são as mesmas e, apesar de a solução ser compartilhada, ela terá de ser adaptada às distintas  realidades”. E ressaltou o desejo de que seja resgatado o papel protagonista das escolas na formação dos profissionais de saúde. 

Monica Padilla representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas/OMS), reforçou que a Organização tem trabalhado em parceria com o Conass e com o Departamento de Gestão da Educação na Saúde Ministério da Saúde (Deges/MS) na perspectiva de reforçar a capacidade descentralizada dos estados e pelo fortalecimento das escolas de saúde pública como um eixo estratégico. “O trabalho do Conass pode aportar a capacidade das escolas em responder às necessidades da população”, observou. E ressaltou a possibilidade de intercâmbio de experiências internacionais com escolas de outros países, como, por exemplo, com a Escola de Saúde Pública de Andaluzia, na Espanha.

A diretora substituta do Deges, Lilian Leite de Resende, afirmou que o Ministério da Saúde retomou, no ano passado, a discussão sobre a Política de Educação Permanente em Saúde, pois também considera importante o fortalecimento das escolas de saúde pública. “O Ministério almeja que as escolas possam fortalecer e ser protagonistas da educação permanente em seus estados”, concluiu.  

Voltar ao Topo