Covid-19: Governo de Minas avalia como será a utilização de leitos abertos durante a epidemia no estado

Em coletiva virtual desta segunda-feira (21/09), o secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, falou sobre os planos do Estado para os leitos abertos durante esse período.

“Para garantir assistência aos pacientes com Covid-19 em Minas, fizemos uma expansão muito grande no número de leitos, acima do que seriam as demandas que temos em situações normais no estado. Então, isso será avaliado progressivamente, para que possamos definir onde será preciso manter esses novos leitos, bem como quais seriam as características de cada de cada um”, explicou o secretário.

Créditos: Pedro Gontijo / Imprensa MG

Atualmente, estão cadastrados no SUS fácil, em Minas Gerais, 20.922 leitos de enfermaria e 3.902 leitos de UTI. A taxa de ocupação geral de leitos de UTI está em 63,95% e de leitos de enfermaria está em 60,81%.

Ainda de acordo com Carlos Eduardo Amaral, o Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (CONASS), o Conselho de Secretários Municipais de Saúde (COSEMS-MG) e o Ministério da Saúde (MS) buscam formas de ação conjunta, principalmente no que tange ao financiamento desses leitos no futuro.

“Estamos estudando as opções viáveis, mas reforçamos que neste momento seguimos focados em trabalhar no controle da epidemia em Minas, que ainda não terminou”, pontuou.

Recuperados

Minas Gerais registrou, até o momento, 271.194 casos confirmados da covid-19. Desse total, 237.429 são casos de pessoas que se recuperaram da doença. Ao longo da coletiva, Carlos Eduardo Amaral destacou as recomendações para esses casos.

“Ainda há poucas evidências quanto ao momento exato em que pessoas que tiveram a doença deixam de transmiti-la. Por isso, em relação aos curados, as recomendações básicas, como uso de máscara e distanciamento social, se mantêm”, afirmou.

Ainda de acordo com o secretário de Estado de Saúde, a possibilidade de reinfecção também reforça a necessidade de se manter as medidas de prevenção à covid, independente se a pessoa já teve ou não a doença.

Já o Secretário de Estado Adjunto de Saúde de Minas Gerais, Marcelo Cabral, pontuou que “enquanto não existir uma vacina, tudo será objeto de estudo, exame e cautela”.

Nova Política de Atenção Hospitalar

Na ocasião, Carlos Eduardo Amaral também anunciou a publicação da Nova Política de Atenção Hospitalar do Estado de Minas Gerais (PAH) – Valora Minas.

“Dentre os objetivos da nova política, podemos destacar a ampliação ao acesso à saúde, o aperfeiçoamento na regionalização da assistência e a garantia de mais transparência aos investimentos”, afirmou Carlos Eduardo Amaral.
Aprovada pela SES-MG e pelo Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS-MG), a nova estrutura leva em consideração as necessidades da população e busca serviços hospitalares capazes de atender tais demandas.

Saiba mais em SES-MG reestrutura Política de Atenção Hospitalar do Estado

Por Jornalismo SES-MG

<-Voltar