Diagnóstico precoce reduz as sequelas do câncer de mama

A cada ano, o câncer de mama torna-se mais frequente em todo o mundo, com 22% dos novos casos diagnosticados principalmente em mulheres, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Apesar da alta taxa de mortalidade, o câncer de mama tem cura com o diagnóstico precoce. Como forma de alertar à população sobre a importância do autoexame, o médico oncologista e mastologista clínico do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), José Geraldo Bezerra, esclarece quais são as formas de prevenção, os sintomas e como é feito o tratamento.

Ascom SES – Qual é a faixa etária mais atingida pelo câncer de mama?

Dr. José Geraldo Bezerra – Epidemiologicamente, o câncer de mama é mais recorrente nas mulheres que estão na menopausa. Mas, as mulheres na pré-menopausa têm uma série de fatores de risco como o uso do anticoncepcional, a puberdade precoce e alimentação. Além desses aspectos, há também o risco biológico, determinado pela hereditariedade.

Ascom SES – Um dos grandes traumas desse câncer é o risco de perda da mama. Como isso pode ser evitado?

JGB – Tirar a mama é um trauma que pode ser evitado com o diagnóstico precoce da doença. Quanto mais cedo for descoberto, maior será a chance de recuperação. Para iniciar o tratamento, é preciso que as mulheres não sintam vergonha de fazer o autoexame e não escondam a existência dos nódulos mamários. Quando fazem isso, o quadro evolui e dificulta a recuperação. Já atendi uma senhora que escondia sua situação da família e só iniciou o tratamento porque a filha, acidentalmente, sentiu o odor da mama e perguntou o que estava acontecendo. Esse é o tipo de situação que acontece, principalmente, entre as mulheres com mais idade e que residem no interior.

Ascom SES- Um fato surpreendente é que o câncer de mama também atinge aos homens. Como isso de explica?

JGB – O câncer de mama nos homens acontece em uma proporção mínima, se comparada às mulheres. Neles, o fator determinante para o desenvolvimento da doença está mais relacionado à hereditariedade. Apesar dos transtornos não serem iguais aos das mulheres, o câncer masculino pode levar ao óbito e, por isso, é importante que eles fiquem atentos ao surgimento de nódulos na mama e procure o médico quando apresentar alguns dos sintomas.

Ascom SES – Quais são principais sintomas do câncer de mama e as formas de prevenção?

JGB – Surgimento de nódulos, a frequência de dor na região mamária e sangramento pelo mamilo são os sintomas mais importantes. A partir dos 40 anos, é recomendada a realização da mamografia e o exame deve acontecer anualmente. Após o terceiro exame, ele passa a ser feito a cada dois anos. Há também o exame clínico, que pode detectar tumor de até um centímetro. Para as mulheres que não atingiram essa idade, pedimos que nunca deixem de fazer o autoexame e que fiquem atentas aos nódulos. Caso tenham alguma suspeita, devem procurar imediatamente o mastologista.

Ascom SES – Como deve ser feito o autoexame?

JGB – Hoje em dia é possível encontrar vídeos na internet que explicam como a mulher pode realizá-lo. Ele não demora e pode ser feito durante o banho. Para examinar a mama esquerda, a mulher coloca a mão do mesmo lado na nuca e apalpa com a mão direita. Para o outro lado deve repetir o mesmo processo e inverter as mãos.

Ascom SES- Há algum município sergipano que apresente maior registro da doença?

JGB – Estou finalizando um estudo de 1.100 casos sobre a frequência dos tumores de mama na população de Sergipe e, através dele, pude perceber que a maior incidência dos casos está relacionada aos centros populacionais. Aqui no estado, o maior número se encontra na região metropolitana de Aracaju e na região do Agreste Central.

Por Manuela Penacal

SES/SE

<-Voltar