Em Genebra, Chioro defende a universalidade dos Sistemas de Saúde

Em seu discurso na abertura da 67ª Assembleia Mundial de Saúde, ministro da Saúde falou sobre a importância de se assegurar o acesso à saúde para todos.

O ministro da Saúde, Arthur Chioro, discursou nesta segunda-feira (19), no plenário da 67ª Assembleia Mundial de Saúde em Genebra, na Suíça, e reafirmou o compromisso do governo brasileiro em manter a universalidade de seu sistema de saúde, ressaltando que para os brasileiros, a saúde é um direito social que não pode se sujeitar à lógica de mercados.

“Estou convencido que somente com sistemas universais de saúde, estruturados a partir de um compromisso ético e político em defesa da vida, conseguiremos enfrentar os dilemas nacionais e globais que nos desafiam no presente e ameaçam nosso futuro”, enfatizou o ministro aos representantes de centenas de países presentes no encontro.

Dentro do tema do encontro “Clima e Saúde”, o ministro lembrou o compromisso brasileiro de promover o desenvolvimento sustentável, com a erradicação da pobreza e com a superação das desigualdades. E citou como exemplo de ação de saúde  voltada para as mudanças climáticas a criação da força nacional do SUS, que atua em situações de catástrofes.

“A erradicação da pobreza é, sem duvida, a mais alta prioridade do governo da presidenta Dilma Rousseff. Erradicar a pobreza é possível e isso vem ocorrendo aceleradamente em nosso país nos últimos 12 anos”, afirmou Chioro.

O ministro da saúde destacou que nos últimos 25 anos, o Brasil vem construindo seu Sistema Único de Saúde, público e gratuito, e que uma das prioridades é expandir a atenção primária garantindo o acesso universal aos medicamentos. Além disso, Chioro demonstrou a preocupação em constituir e ampliar redes de atenção integral à saúde que atuem na proteção e vigilância, entre outras ações estratégicas.

Chioro destacou ainda o desafio assumido pela presidenta Dilma Rousseff ao implantar o programa Mais Médicos, que, em breve, beneficiará mais de 49 milhões de brasileiros, com mais de 14 mil médicos atuando nas regiões mais vulneráveis do país.

O ministro finalizou sua fala fazendo um convite aos líderes dos países participantes da Assembleia para a Copa do Mundo no Brasil e garantiu que o país está pronto para receber a todos com segurança e alegria. “Esta será a Copa das Copas, uma grande festa popular que celebrará a paz e o respeito à diversidade, a rejeição a toda e qualquer forma de racismo e intolerância e a afirmação da amizade e do respeito entre todos os povos”, concluiu.

Por Murilo Caldas

Agência Saúde

<-Voltar