Especialista alerta sobre uso de colírios para combater o olho seco no inverno

O inverno começou e com ele chegam algumas mudanças no cotidiano das pessoas. Além das baixas temperaturas registradas em algumas regiões do Brasil, o clima fica mais seco e a umidade relativa do ar diminui. Uma das partes do nosso corpo que sofre nessa época do ano são os olhos. E quase sempre será preciso procurar auxílio profissional para resolver o problema.

“É comum nessa época do ano a pessoa sentir o olho seco. O clima faz com que as pessoas percam mais água de maneira geral e nos olhos, com as lágrimas, em particular. Então, há a sensação de que há um corpo estranho nos olhos, de que eles estão grudados, que nada mais é do que o muco que é produzido a mais para poder tentar a lubrificação”, explica Mizael Pinto, chefe do Serviço de Oftalmologia do Hospital Federal da Lagoa, vinculado ao Ministério da Saúde.

O especialista recomenda medidas simples para dar mais conforto a quem sofre de olho seco. “O ideal é tentar aumentar a umidade do ar nos locais onde a pessoa fica ou usar colírios, receitados por um profissional”, adverte.

Em algumas regiões do país chove pouco nesse período, aumentando a luminosidade do sol. Mizael Pinto alerta que é importante proteger os olhos da exposição excessiva. “O que prejudica mais na luminosidade, dependendo do local em que a pessoa esteja, como a beira de uma praia, por exemplo, é o reflexo muito grande e os raios ultravioletas. O mais indicado é o uso de óculos escuros. Mas não pode ser qualquer um e sim os que tenham filtro contra raios ultravioletas”, salienta.

Ao contrário do verão, não são comuns os casos de conjuntivite no inverno. “Pode até ter um ou outro caso de conjuntivite viral ou até mesmo bacteriana. Mas não temos epidemias nessa época, daquela forma do verão, quando vemos as pessoas com os olhos inchados e muito vermelhos, e com secreção. Pode haver um caso de conjuntivite esporádico, cujo tratamento é a higiene do local, o uso de colírios hidratantes e observação médica”, finaliza.

Fonte: Marcos Moura / Agência Saúde

Foto: Corbis Images

<-Voltar