Evite excessos nas festas de final de ano

 

Prudência é o melhor remédio contra ressaca e indigestão

Com o final de ano, vêm as festas de Réveillon. Comemorações com familiares, amigos ocultos, confraternizações entre colegas de trabalho e outras festividades, quase sempre acompanhadas de excessos alimentares e etílicos.

Para evitar transtornos como ressacas e indigestões após as festas, nutricionistas recomendam prudência na hora de consumir. “O conselho é sempre ir com calma. Primeiro, dar uma olhada em tudo o que tem disponível. Depois, escolher um ou outro alimento que você mais gosta e ficar neles. Sem muitas misturas. O equilíbrio é a melhor opção”, aconselha a nutricionista da Secretaria de Saúde, Marcela Laner.

Selecionar com mais critério o que for consumir é o primeiro passo para evitar transtornos no final de ano. “Não existe alimento ruim. Existe uma combinação que pode dar errado”, explica Laner. “Por isso, é importante escolher apenas alguns pratos ao invés de pegar um pouco de tudo. E lembrar que sempre há frutas e saladas, e que elas não são só decorativas”, brinca.

Além disso, a estratégia é o ponto forte, caso a pessoa esteja convicta de cometer excessos. “Como é uma época com chances de ter mais eventos, escolha uma festa para comer um pouco mais, enquanto que, nas outras, tente equilibrar. Não faz mal falar um ‘não’ de vez em quando. O ideal é pensar com planejamento. Se vai se exceder a noite, procure comer algo mais leve no almoço, como uma salada. Se for algo planejado, não precisa se martirizar”, ensina.

Tentar encaixar, entre uma festa e outra, alguns exercícios também é uma forma de diminuir os efeitos negativos da festança. “Se possível, faça alguma atividade física com a família, já que é um momento que ela está mais próxima. Caminhadas no parque ou brincadeiras com as crianças contam muito. Qualquer coisa para não ficar totalmente parado”, recomenda Laner.

ÁLCOOL – Quanto ao álcool, a primeira recomendação é manter o organismo sempre hidratado, intercalando a bebida com copos de água ou suco regularmente. “Como as bebidas alcoólicas trazem uma carga calórica mais alta, sempre é bom beber um copo de água entre as doses”, adverte Marcela.

Comer antes de beber e beliscar entre um copo e outro são dicas importantes para retardar a difusão do álcool no organismo. Para evitar a ressaca também é importante não misturar bebidas destiladas (cachaça, uísque, vodka) com fermentadas (vinho, cerveja).

“A concentração de álcool nas bebidas destiladas é muito maior do que nas fermentadas. Quando misturadas, acaba que o consumo fica maior. Como cada tipo de bebida não é tomada em quantidades iguais, a pessoa também pode ir perdendo o controle e passar mal”, afirma a gerente substituta de Serviços de Nutrição da Secretaria de Saúde, Carolina Gama.

Mas caso exagere no álcool, outra dica é tomar generosas doses de água antes de dormir para evitar a temida ressaca. No dia seguinte, o melhor é consumir alimentos leves, de fácil digestão, com baixos teores de gordura.

Em um organismo já sobrecarregado pelos efeitos do álcool, a preferência deve ser pelas frutas, vegetais e líquidos como água de coco, sucos naturais e isotônicos, que também ajudam na reposição de minerais.

“Entre as sugestões de suco estão o de melancia e gengibre; abacaxi, água de coco, couve e hortelã; limão, pepino, couve e gengibre; e maracujá, cúrcuma e cenoura. São alimentos com propriedades que se aplicam tanto para melhorar a função hepática quanto a hidratação”, informa Carolina Gama.

E só para deixar claro: esqueça a ideia de “rebater” a ressaca com mais álcool. “A pessoa pode até achar que vai ter uma ‘melhora’ momentânea causada pelo álcool, mas depois piora. O ideal é beber líquidos que hidratem para evitar a hipoglicemia”, destaca a nutricionista.

Leandro Cipriano, da Agência Saúde

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Saúde
61 – 2017-1111

<-Voltar