Fiocruz lança novas cartilhas para cuidadores de idosos


Para orientar e informar os cuidadores de idosos no contexto da pandemia da Covid-19, a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz) lançou nesse mês três novas cartilhas de apoio para esses profissionais. As publicações abordam os temas: luto e solidão, atividades físicas e direitos das pessoas cuidadoras de idosos, e integram o projeto Cuidando de quem cuida, vinculado ao programa Inova Fiocruz, que reúne, ao todo, seis vídeo-aulas e seis cartilhas sobre o assunto. “Tudo foi elaborado em linguagem simples e acessível, algumas com ilustrações, voltado tanto para as pessoas cuidadoras de idosos que são da família, como também as contratadas que atuam de forma remunerada”, ressalta o professor-pesquisador da EPSJV/Fiocruz Daniel Groisman, coordenador do projeto e um dos responsáveis pela elaboração do material.

Além de Groisman e de outros pesquisadores da Fiocruz, as cartilhas foram elaboradas com apoio de especialistas convidados da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e da Associação dos Cuidadores do Estado do Rio de Janeiro (Acierj).

Segundo Groisman, ainda que a vacinação no país tenha sido iniciada em janeiro de 2021, a pandemia ainda deve se manter por algum tempo, dada as dificuldades e o tempo necessário para se imunizar a população brasileira. “A importância desse material se justifica porque nele discutimos questões que se fazem presentes tanto durante a pandemia quanto nos desafios do cuidado no pós-pandemia”, aponta.

Direito das pessoas cuidadoras

Informações sobre os principais direitos das pessoas cuidadoras de idosos durante a pandemia de Covid-19 e como fazer para acessá-los estão reunidas na cartilha Diretos das pessoas cuidadoras de idosos na pandemia de Covid-19. Segundo a publicação, os direitos das pessoas idosas são garantidos por legislações específicas, como a Constituição Federal e o Estatuto do Idoso. “Mas e quanto à pessoa que cuida? Quais são seus direitos?”, questiona a cartilha.

Dentre os principais direitos das pessoas cuidadoras remuneradas e familiares, o documento destaca os direitos à saúde, assistência social, previdência social e justiça. De acordo com Groisman, os direitos estão dispersos em diferentes políticas, setores e portarias e, no material, estão reunidos de maneira fácil. “Ainda que a gente não tenha no Brasil um direito ao cuidado, a exemplo de outros países que têm políticas de cuidado mais avançadas, existem direitos sociais que podem ser acessados pelas pessoas cuidadoras e é importante informar esse público sobre isso”, afirma.

Promoção da saúde física das pessoas idosas 

As restrições causadas pelo necessário isolamento social impactaram no nível de atividade física das pessoas idosas, podendo trazer consequências para a sua saúde e para a sua funcionalidade. Pensando nisso, a cartilha Como estimular a pessoa idosa a continuar fisicamente ativa durante a pandemia de Covid-19? foi elaborada com o objetivo de passar orientações gerais para as pessoas cuidadoras sobre a questão das atividades físicas para os idosos. “Nesse cenário pandêmico, tivemos uma diminuição das atividades sociais, das saídas de muitas pessoas idosas, que ficaram dentro de suas casas. Isso traz impactos para a capacidade física ou funcional. A ideia é promover uma rotina mais ativa e de estimulação da funcionalidade e da saúde física”, alerta Groisman.

Como lidar com a solidão e o luto durante a pandemia

A cartilha Como lidar com a solidão e o luto durante a pandemia de Covid-19? foi criada com o propósito de auxiliar aos cuidadores de pessoas idosas a lidarem com a solidão e com sentimentos ligados à morte de parentes, amigos e pessoas com quem mantinham relações de cuidado, sobretudo idosos, ocorridas na pandemia. Groisman destaca que, a princípio, esse tema não seria abordado em uma cartilha, mas que o fato foi reconsiderado tendo em vista o enorme índice de mortes, em sua maioria, de idosos. “A gente achou que era muito importante dar algum acolhimento a essas famílias e demais pessoas cuidadoras que sofreram perdas nesse período. Como o nosso projeto se propõe a olhar para quem cuida, a gente também tem que olhar para quem estava cuidando e perdeu uma pessoa querida nessa pandemia, que vitimou tantas pessoas da população brasileira”, ressalta.

Por: Julia Neves (EPSJV/Fiocruz)

<-Voltar