Governo do Estado anuncia protocolo de atendimento a dengue via web para municípios

SES/RJ

Unidades de saúde municipais vão poder acessar online sistema da Secretaria de Estado de Saúde que ajuda a identificar corretamente casos da doença. De acordo com a Superintendência de Vigilância Epidemiológica, 90% dos pacientes com dengue no Rio de Janeiro são atendidos em ambulatórios e 10% necessitam de internação. O retrato da doença no estado mostra que apenas 6% evoluem para casos graves da doença e 1,3% dessa fatia não consegue sobreviver.

Até o final deste mês de abril os municípios do estado do Rio de Janeiro vão poder acessar online o mesmo sistema já utilizado pelas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) para seguir à risca o protocolo de atendimento a pacientes com suspeita de dengue. A ferramenta estará disponível para profissionais de saúde nos sites Rio Contra Dengue (www.riocontradengue.rj.gov.br) e Rio Com Saúde (www.riocomsaude.rj.gov.br). O anúncio foi feito nesta terça-feira, dia 3 de abril, durante reunião do secretário de Estado de Saúde, Sérgio Côrtes, com prefeitos e secretários municipais da Baixada Fluminense e Grande Rio, na Gávea.

Hoje, todas as UPAs gerenciadas pelo Governo do Estado já utilizam esta ficha de atendimento eletrônica. Trata-se de um prontuário inteligente que auxilia o profissional de saúde a seguir os protocolos de atendimento em casos de dengue sugeridos pelo Ministério da Saúde. Então, se, de acordo com as informações que o médico preencheu sobre sintomas e sinais do paciente, o sistema dá alertas indicando próximos passos a seguir, indicando, dependendo do caso, até a internação do paciente.

– A Secretaria vai disponibilizar o protocolo de atendimento via web para que os municípios possam ter isso na sua base  e utilizar o mesmo sistema em suas unidades – explica o superintendente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria, Alexandre Chieppe.

Segundo Chieppe, 90% dos pacientes com dengue no Rio de Janeiro são atendidos em ambulatórios e 10% necessitam de internação. O retrato da doença no estado mostra que apenas 6% evoluem para casos graves da doença e 1,3% dessa fatia não consegue sobreviver.

O objetivo dessa iniciativa é subsidiar os municípios no correto atendimento dos casos de dengue. Desta forma, a Secretaria de Estado de Saúde acredita estar garantindo todo o apoio às prefeituras do Rio de Janeiro para o enfrentamento da doença. Somam-se à ação divulgada nesta terça-feira; a montagem de centros de hidratação nas cidades com maior incidência da doença; o lançamento do projeto inédito Monitora Dengue; a capacitação dos profissionais de saúde dos municípios e o acompanhamento da criança dos planos de prevenção e contingência criados pelas cidades para o combate a dengue.

Dengue no estado – Até o dia 30 de março foram notificados 79.587 casos suspeitos de dengue no estado do Rio de Janeiro, com cinco (5) óbitos: dois no Rio de Janeiro, um em Magé, um em Volta Redonda e um em Itaocara. Dos 92 municípios do estado do Rio de Janeiro, 45 estão em epidemia. A Secretaria de Estado de Saúde já montou, em parceria com as prefeituras, 63 centros de hidratação em 43 cidades.

– Temos mais de 40 municípios com quadro de epidemia no estado e o que mais preocupa agora é o crescimento no número de casos de dengue na Região Metropolitana, já que historicamente a epidemia no estado acontece entre os meses de abril e maio – explicou o Secretário Sergio Côrtes, que já pediu uma nova reunião com prefeitos e secretários daqui a duas semanas para que as prefeituras discutam seus planos de contingência para atendimentos a pacientes com a doença.

Leia mais:
Confira a lista com os 45 municípios do RJ em epidemia de dengue

Capacitação – A Subsecretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde vem capacitando médicos e enfermeiros de hospitais municipais, estaduais, federais, particulares e Unidades de Pronto-Atendimento de todo o estado para padronizar o atendimento a pacientes com a doença. Este ano já foram realizadas nove turmas de capacitação, com a participação de cerca de 500 médicos e enfermeiros. Os profissionais diretamente treinados se tornaram multiplicadores desse conhecimento, para que as informações cheguem a mais de profissionais de saúde. A capacitação vem sendo realizada nas diversas regiões do estado, seguindo proposta do Ministério da Saúde, que acompanha seu desenvolvimento. O estado do Rio de Janeiro é pioneiro na implantação do projeto, que começou em 2011.

Monitora Dengue – Em uma ação inédita no país, projeto da Secretaria de Estado de Saúde vai distribuir dez mil smartphones aos municípios para transmissão dos dados sobre dengue em tempo real. O objetivo é garantir que os municípios consigam acompanhar em tempo real o trabalho dos agentes de endemia na busca por focos do mosquito transmissor da doença. A tecnologia vai agilizar a elaboração dos relatórios com os dados coletados e permitir que o tempo de resposta para implementação de ações de combate à dengue e atendimento aos pacientes seja feito mais rápido nos pontos onde houver necessidade.

Campanha 10 Minutos Contra a Dengue – A campanha da Secretaria de Estado de Saúde é o tom de alerta para evitar um alarme neste verão, sendo uma importante ferramenta de conscientização para a necessidade de todos se engajarem no combate ao foco do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença. O objetivo é estimular a população a investir 10 minutos por semana para eliminar possíveis criadouros em suas casas, já que o ambiente doméstico concentra 80% dos focos.

Assessoria de Comunicação
Secretaria de Estado de Saúde
ascom.SESRJ@gmail.com
(21) 2333-3717
Twitter: @SaudeGovRJ
www.saude.rj.gov.br

<-Voltar