Ministério da Saúde muda sistema de marcação de consultas do INTO

Ministro Alexandre Padilha fala sobre novo sistema de marcação de consultas do Into.

A partir de hoje (6), o sistema para marcação de consultas no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into) passa a ser informatizado. Os pacientes que moram na capital fluminense podem procurar qualquer Unidade Básica de Saúde (UBS) para efetuar a marcação da consulta. Já os que vivem em outros municípios devem buscar a UBS onde são acompanhados para agendar a consulta.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou estas mudanças na manhã desta quinta-feira (06), depois de uma reunião realizada com o secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes, e o secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Hans Dohmann. “O sistema utilizado antes para marcação de consultas é arcaico e pouco eficiente. O Ministério da Saúde não quer que as pessoas se exponham às filas”, destacou o ministro. Em 2011, o Rio implantou um esquema de marcação de consultas informatizado (SISREG) nas Unidades Básicas de Saúde e integrará o Into a partir de agora.

Além de modificar a lógica de acesso de novos pacientes aos serviços especializados, com agendamento direto em qualquer UBS, o Ministério da Saúde, em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro, criou um sistema de busca ativa dos pacientes que já passaram pela consulta de triagem no Into. Serão 50 atendentes que vão telefonar para os pacientes e agendarão o próximo atendimento no hospital federal, sem a necessidade de que qualquer paciente vá diretamente ao Into. “Em cada caso será definido qual o melhor hospital para garantir o atendimento necessário àquele paciente”, explica Padilha.

Mais cirurgias – Outro anúncio importante feito pelo ministro da Saúde refere-se à ampliação da capacidade de atendimento no Into e em outros hospitais estaduais do Rio de Janeiro. O objetivo é reduzir o tempo de espera dos pacientes por consultas e cirurgias ortopédicas.

O funcionamento do Instituto foi estendido aos finais de semana. No próximo sábado (08), serão cinco centros cirúrgicos em funcionamento e, no sábado seguinte (15) passam a ser dez em funcionamento. Somada à ampliação que ocorrerá no quadro de médicos do instituto, a medida vai garantir o incremento de 5.600 cirurgias por ano.

Outra ação importante é a parceria firmada com o estado do Rio de Janeiro para a realização de 500 cirurgias ortopédicas por mês. Cem delas no Hospital Estadual de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu, outras 150 no Hospital São Francisco de Assis e mais 250 no Hospital Ulysses Guimarães.

Balanço – De janeiro a novembro deste ano o Into realizou quase sete mil cirurgias – 22% a mais do que no mesmo período de 2011. Também foram feitas 180 mil consultas – 74% a mais do que em 2010, quando foram contabilizadas 103.399 consultas.

Além do instituto federal, os hospitais estaduais realizaram 16.700 cirurgias ortopédicas no estado do Rio – 5% maior do que em 2011 e quase sete vezes maior do que a quantidade de procedimentos deste tipo realizados em 2006 (2.520).

Tempo de espera – Para reduzir o tempo de espera nas filas do Sistema Único de Saúde (SUS) e ampliar o número de cirurgias de ortopedia, entre outros procedimentos, o estado do Rio de Janeiro recebeu R$ 33,5 milhões, 259% a mais que em 2011, quando foram liberados R$ 9,3 milhões. A estratégia faz parte da Política Nacional de acesso aos Procedimentos Cirúrgicos Eletivos.

Do total do recurso de 2012 (R$ 33,5 milhões) para realização das cirurgias, R$ 16,7 milhões são especificamente para cirurgias ortopédicas, tratamento de varizes, atendimento nas áreas de urologia e otorrinolaringologia, incluindo retirada de amígdalas. Outros R$ 16,7 milhões atenderão as demandas apresentadas pelos gestores estaduais, conforme a necessidade do estado.

Até o final do ano devem ser realizadas 31 mil cirurgias ortopédicas no Rio de Janeiro. No primeiro semestre de 2012, foram feitas 15.686 intervenções através do SUS. Em 2011 este número foi de 30.594, 222% a mais que em 2010, ano que registrou 9.506 cirurgias. Os investimentos também cresceram: R$ 8,4 milhões e R$ 5,9 milhões, respectivamente.

Assista ao vídeo do anúncio das medidas para aperfeiçoar o atendimento no Into:

Blog da Saúde, com informações da Agência Saúde

<-Voltar