Ministério reúne com equipe Neonatal da maternidade

Celton Ramos/Sesau

A Portaria n° 930/12, que define as diretrizes da organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido grave, além dos critérios de classificação e habilitação de leitos de UTI Neonatal serão pontos da reunião de logo mais, no Hospital Materno-Infantil Nossa Senhora de Nazareth (HMINSN).  O encontro acontece na parte da tarde entre a equipe do Ministério da Saúde (MS) e profissionais do hospital que atuam na UTI Neonatal. A Sociedade Brasileira de Pediatria também participará.

Segundo Ana Carolina Brito, diretora do HMI, a portaria orienta os hospitais a garantirem acesso, acolhimento e resolutividade com a organização da atenção a saúde. Durante a conversa, a intensificação nas ações que reduzem a morbimortalidade perinatal e neonatal será destacada durante a conversa.

A portaria recomenda também sobre a implantação de mecanismos de regulação, fiscalização, controle e avaliação da assistência prestada aos recém-nascidos graves ou potencialmente graves no SUS.

A Unidade Neonatal é um serviço de internação responsável pelo cuidado integral ao recém-nascido grave ou potencialmente grave, dotado de estruturas assistenciais que possuam condições técnicas adequadas à prestação de assistência especializada, incluindo instalações físicas, equipamentos e recursos humanos.

RECONHECIMENTO

Na parte da manhã desta segunda-feira, 25, a equipe do MS certificou o HMI como referência Estadual no Método Canguru. A placa foi entregue durante culto devocional com presenças de servidores, de autoridades políticas e imprensa. A Maternidade é a terceira do país a receber o reconhecimento nacional do Método.

Há dez anos o método foi trazido para Roraima. Entretanto, há quatro anos que foi fortalecido e implementando, com constantes oficinas de qualificação aos profissionais de saúde no HMI. Com a certificação, profissionais de outras unidades de saúde, inclusive da região Norte, poderão ampliar a capacitação quanto aos cuidados humanizados aos recém-nascidos de baixo peso.

O Método Canguru tem contribuído na recuperação de crianças prematuras, de baixo peso e, sobretudo, fortalecido a relação afetiva entre bebê internados na UTI Neonatal com os pais. Está dividido em três etapas: a primeira consiste no acolhimento da gestante e internação na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) Neonatal; depois, no atendimento diferenciado às mães e bebês prematuros em uma enfermaria apropriada. Por último, é quando o bebê atinge 1,8 quilos, recebe alta hospitalar. A partir daí, o atendimento passa a ser feito no ambulatório até que a criança atinja 2,5 quilos.

ASCOM SESAU
(95) 2121-0507
www.saude.rr.gov.br

Foto: Internet

<-Voltar