Ministro inaugura casa de acolhimento infanto-juvenil no Piauí

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, participou nesta quarta-feira (28) da inauguração da Casa de Acolhimento Transitório infanto-juvenil (CATi) em Teresina, no Piauí. A unidade oferecerá cuidados para crianças e adolescentes que tiveram seus vínculos familiares e sociais fragilizados ou rompidos em consequência do uso de álcool e outras drogas, e que não estão passando por medida socioeducativa.

Para dar mais qualidade ao atendimento, o ministro Padilha adiantou que estão sendo habilitados 21 leitos em enfermarias especializadas em álcool e drogas no hospital Getúlio Vargas. “Estas casas de acolhimento vão receber, por ano, mais de R$ 1 milhão para tratar dependentes em grave crise. O foco do plano “Crack, é Possível Vencer” é a oferta da possibilidade de tratamento diferenciado a dependentes que têm relação distinta com a droga. Esta unidade piauiense, que conta com apoio do Ministério da Saúde para funcionar adequadamente, as crianças e jovens encontrarão acolhimento e tratamento para conquistar sua reinserção social”, completa o ministro.

Até 2014, o Ministério da Saúde investirá mais de R$ 16 milhões para tratamento de usuários de drogas no estado do Piauí. “Teresina está de parabéns ao inaugurar esta casa. Esta é a primeira unidade que inauguro que se dedica ao acolhimento infantil. Criança tem de ser tratada como criança e não como adulto”, destacou Padilha.

Atendimento – A casa de acolhimento tem capacidade para atender voluntariamente crianças e adolescentes – do sexo masculino – entre 10 e 18 anos incompletos. A unidade funciona 24 horas e tem caráter residencial e transitório para atendimentos psicossociais. A casa de acolhimento conta com 40 profissionais entre assistentes sociais, psicólogos, terapeuta ocupacional, educador físico, cuidadores, redutores de danos, porteiros e auxiliar de serviço geral.

Plano Crack – O Estado do Piauí já aderiu ao programa do governo federal “Crack, É Possível Vencer”. O Piauí poderá criar – nos próximos dois anos – mais de 205 leitos para atendimento aos usuários de drogas, em especial o crack. As vagas serão possíveis por meio da abertura de 50 leitos em enfermarias especializadas; construção de dois novos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS) 24 horas e seis novas unidades de acolhimento (sendo três destinadas ao público adulto e outras três infantil). Para as ações da saúde serão investidos R$ 18,7 milhões no eixo Saúde.

Para a capital piauiense estão previstos, até 2014, a abertura de 43 novos leitos; construção de dois novos Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS) 24 horas e duas novas unidades de acolhimento.

Fonte: Zeca Moreira / Agência Saúde

Foto: Secretaria de Estado de Saúde do Piauí

<-Voltar