MS firma auxílio financeiro para deslocamento das gestantes

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, e o presidente da Caixa Econômica Federal, José Fontes Hereda, assinaram hoje (8) um contrato para o pagamento do auxílio deslocamento às gestantes da estratégia Rede Cegonha. As mulheres grávidas atendidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) vão receber um benefício, de até R$ 50,00 reais, como apoio no deslocamento para realização das consultas de pré-natal e para o parto.

O presidente da Caixa Econômica Federal, José Fontes Hereda, destaca a importância deste contrato para a sociedade: “Um banco é medido pelo quanto de lucro que ele gera. A Caixa comemora também o quanto ele ajuda em políticas públicas. Hoje, estamos muito felizes por poder participar deste programa da Rede Cegonha, pela importância que ele tem para as mães do Brasil. A Caixa está muito orgulhosa por participar de uma ação como essa”.

O ministro Alexandre Padilha ressalta que a assinatura deste acordo é uma conquista para que se possa ser colocada em prática o auxílio gestante. “Isso foi feito por causa de uma pesquisa do Ministério da Saúde que constatou que quando se estimula a ida das mulheres ao centro de saúde diminuem o índice de mortalidade materna”. Padilha também destacou que esta parceria com a Caixa Econômica vai garantir o sigilo das informações do SIS Pré-Natal.

Em 2012, um milhão de gestantes (mais de 40% das gestantes usuárias do SUS) devem receber o benefício. Até 2013, a meta é alcançar todas as grávidas do SUS (2,4 milhões).

Outra novidade anunciada pelo ministro Padilha foi a inclusão do exame de eletroforese de hemoglobina, que detecta a anemia falciforme, mais prevalecente nas mulheres negras. A incorporação deste exame irá gerar impacto de R$ 12 milhões, por ano, em investimentos da Rede Cegonha.

Durante a coletiva, o ministro Padilha ressaltou o investimento em medidas, feito por meio da Rede Cegonha, para evitar atitudes discriminatórias e violentas contra as mulheres. Elas incluem a qualificação das maternidades, para prestar atendimento do parto ao nascimento de forma humanizada.

Homenagem às mulheres – Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, também homenageou três instituições que realizaram campanha e projetos exitosos de saúde da mulher e de mulheres em situação de violência.

A representante da Rede pela Humanização do Parto e Nascimento (ReHuNa), Daphne Rattner, recebeu a homenagem pelo movimento denominado “humanização do parto/nascimento”. O objetivo dele é diminuir as intervenções desnecessárias e promover um cuidado ao processo de gravidez, parto, nascimento e amamentação baseado na compreensão do processo natural e fisiológico.

Outra instituição homenageada foi a Rede Nacional Feminista de Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos. Ela é responsável no Brasil, desde 2010, pela campanha “Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas”, juntamente com a Rede de Homens pela Equidade de Gênero (RHEG) e Coletivo Feminino Plural. Dentre os objetivos da iniciativa está a mudança de atitudes e crenças sociais relacionadas à discriminação, desigualdades e inequidades de gênero que promovem a violência contra as mulheres.

A campanha criada e produzida pela Rede de Desenvolvimento Humano (REDEH) e o Instituto Magna Mater (IMM), “Quem Ama Abraça”, veiculada em 2011, também será uma das homenageadas. O foco da campanha era dar visibilidade à questão da violência contra a mulher e demonstrar como o seu enfrentamento é fundamental para a construção de uma cultura de paz na sociedade.

O ministro Padilha também prestou uma homenagem para a servidora mais antiga do Ministério da Saúde, Emília Maria Domingues, e ainda felicitou todas as mulheres que trabalham no Ministério e no Sistema Único de Saúde.

Ilana Paiva, com informações da Agência Saúde

<-Voltar