NOTA DE ESCLARECIMENTO – Campanha Nacional de Vacinação contra os Vírus da Influenza

Campanha Nacional de Vacinação contra os Vírus da InfluenzaO CONASS esclarece que, por orientação do Ministério da Saúde, é facultativa a abertura dos postos de saúde no dia 30 de abril, definido como dia D de mobilização da Campanha Nacional de Vacinação contra os Vírus da Influenza, lançada ontem (27), conforme destaca o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Antônio Carlos Nardi: “22 estados da federação adiantaram suas vacinações, desta maneira, nós orientamos a população que procure a Unidade Básica de Saúde, a Secretaria Municipal de Saúde da sua cidade, e verifique se no dia 30 estará em funcionamento, uma vez que muitos destes que já adiantaram a sua vacinação, o inicio das etapas, estão com altas coberturas vacinais, não tendo a necessidade de manter as unidades abertas no próximo sábado dia 30”.

O público-alvo da campanha, que segue até 20 de maio, é de 49,8 milhões de pessoas. A meta do Ministério da Saúde é vacinar, pelo menos, 80% desta população, considerada de risco para complicações por gripe.

São integrantes deste grupo, pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), trabalhadores de saúde, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas – e os funcionários do sistema prisional. As pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis, que inclui pessoas com deficiências específicas, também devem se vacinar. Para esse grupo não há meta específica de vacinação

A escolha dos grupos prioritários segue recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). Essa definição também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. São priorizados os grupos mais suscetíveis ao agravamento de doenças respiratórias.

 

*Com informações do Ministério da Saúde

<-Voltar