O papel e a importância da comunicação para a promoção da saúde é tema de seminário em Curitiba

Timbrado-02

Na qualidade de responsáveis por um grupo de instituições coordenadas pela Conferência lusofrancófona da saúde (COLUFRAS), defendemos a realização de um seminário de trabalho que terá lugar em Curitiba, no contexto do congresso internacional  da UIPES, de 22 maio de 2016. O seminário tem por objetivo, de um lado, facilitar o intercâmbio de experiências para a promoção e sustentação das intervenções de comunicação em saúde e, por outro, de definir conjuntamente as etapas visando a eventual elaboração de um projeto internacional lusofrancófono focado na promoção da saúde e da atenção primária à saúde e sua articulação com os cuidados hospitalares.  

Contexto

Os estudos em Comunicação eram lugar ao desenvolvimento de uma área específica de pesquisa, a comunicação em saúde (Health Communication), definida como o estudo de estratégias de comunicações midiática, interpessoal, organizacional e intercultural visando a informar e a influenciar decisões individuais e coletivas propícias à melhoria das condições de saúde.

A comunicação em saúde pode declinar-se em vários eixos:

  • COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA visa a ressaltar as influências dos atores e as representações midiáticas da saúde sobre as normas e as maneiras de fazer para se estar em saúde. Ademais, sendo a INTERNET um campo em desenvolvimento, é pertinente destacar sua influência tanto no plano da organização dos cuidados de saúde, quanto dos profissionais e da população.
  • COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL focaliza as práticas de intercâmbios entre quem trata e quem é tratado, a fim de maximizar a qualidade de vida destes últimos.
  • COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL questiona, através dos processos de comunicação, as formas de constituição e de transformação das organizações e dos sistemas de saúde.
  • COMUNICAÇÃO INTERCULTURAL enfoca os fatores culturais que 1) determinam em parte as representações e o sentido das mensagens, e 2) podem induzir discriminação no acesso aos serviços de saúde.

Assim, o grupo de instituições internacionais coordenado pela COLUFRAS desenvolve uma missão de operacionalização, formação e pesquisa interdisciplinar e de valorização dos conhecimentos no campo da comunicação em saúde. Ele interpela tanto os operadores (profissionais de saúde, conceituadores midiáticos (internet, televisão), quanto os pesquisadores. Entretanto, nem sempre os benefícios e os impactos estão à altura de nossas expectativas. A comunicação, em todos os componentes, é complexa, como é igualmente complexa sua avaliação. Se há um interesse consensual sobre a importância da comunicação em saúde, dentre os profissionais de saúde, isso nem sempre acontece no que diz respeito à aplicação e a mensuração de práticas exemplares destinadas a promover e apoiar intervenções comunicacionais eficazes.

 

O seminário partirá de nossas preocupações comuns:

  • Que formação oferecer aos profissionais?
  • Como identificar e implementar as melhores práticas?
  • Como compartilhar as maneiras de se avaliar as intervenções em comunicação?

Objetivos

Haverá então cinco objetivos a saber:

  • Apresentar a situação em cada eixo.
  • Compartilhar e intercambiar nossas ferramentas, nossa forma de fazer, nossa experiência e nossas expertises.
  • Identificar eventuais temas de interesse comum para a pesquisa.
  • Levantar pistas de trabalho e, eventualmente, as grandes linhas de um projeto internacional de intervenção em matéria de promoção da saúde e da atenção primária à saúde em alguns países francófonos e lusófonos das Américas, da África e da Europa.

 

A quem se destina esse seminário?

A todos que se sintam envolvidos com a comunicação em saúde, sejam promotores ou educadores para a saúde, médicos, enfermeiros, parteiras, outros  profissionais da área da saúde (psicólogos, assistentes sociais etc).

 

Programa e organização:

Primeira parte do seminário: duas apresentações sobre o tema geral, examinando os seguintes aspectos (15 minutos para cada eixo):

  • Descrição da situação.
  • Dificuldades encontradas e sucessos obtidos.
  • Implicações e desafios práticos ligados à formação e à pesquisa.

 

Na segunda parte do seminário: será aberto o debate com os participantes, em função dos temas abordados nas apresentações, ou em função dos temas transversais.

A terceira parte do seminário: apresentação da síntese e levantamento das pistas de trabalho.

 

EMENTA

Conceitos e estratégias de comunicação para a promoção da saúde; os diferentes tipos de comunicação (midiática, interpessoal, organizacional e intercultural; aplicação e mensuração de práticas aplicáveis à comunicação em saúde.

PROGRAMAÇÃO

 

8h30 às 9h

Inscrições e credenciamento

 

9 às 9h30

Início dos trabalhos

Boas vindas Colufras – Dr. Rémy Trudel

Boas vindas CONASS – Dr. Michele Caputo Neto, Vice-presidente do Conass

Boas vindas Instituto de Higiene e Medicina Tropical de Lisboa – Dr. Fernando P. Cupertino de Barros

Boas vindas Comsanté/UQÀM – Dra. Lise Renaud

Boas vindas ECOS/UnB – Dra. Ana Valéria M. Mendonça

Apresentação do grupo e da dinâmica prevista para os trabalhos – Dra. Lise Renaud

 

 

9h30 às 10h30 – MOMENTO 1

Moderação: Dr. Fernando P. Cupertino de Barros – Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (CONASS)

Expositores e temas:

O compromisso dos parceiros em saúde produz resultados concretos

Michel Tremblay – Société Santé en français (20 minutos)

A transformação do sistema de saúde do Québec: uma alavanca para a promoção da saúde, mesmo nas práticas clínicas?

Luc Boileau – Institut National d’excellence en Santé et Services Sociaux du Québec (INESSS) (20 minutos)

 

Debate Momento 1 – (20 minutos)

 

10h45

Intervalo

 

11 às 12h

MOMENTO 2

Moderação: Dra. Ana Valéria M. Mendonça

 

 

Expositores e temas: Conférenciers et thèmes:

A erradicação da malária na infância: uma estratégia de comunicação em diversos níveis de ação, Dr David Houeto, École de Santé Publique, Université de Parakou, Bénin (20 min)

 

A implantação do novo sistema de saúde pública na França: desafios comunicacionais e organizacionais, Dr François Bourdillon, Diretor de Saúde Pública da França (vídeo de 10 min)

 

Debate Momento 2 – (20 minutos)

 

12 às 13h

MOMENTO 3

Avaliação do Seminário e próximos passos pela Dra. Lise Renaud, COMSANTÉ, Universidade do Quebec em Montreal (UQÀM), o Dr. Fernando P. Cupertino de Barros, CONASS e Sr. Normand Asselin, COLUFRAS

Timbrado-03

<-Voltar