Parceria reduz em 50% fila da regulação pelo Telessaúde

Uma parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES) e o Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM) evitou que 50% dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) atendidos nas Unidades Básicas de Saúde e que o médico tinha intenção de encaminhar, entrassem na fila da regulação em busca de serviços especializados em 2017.

Trata-se do programa Telessaúde, implantado há três anos em Mato Grosso, e que consiste em ofertar teleconsultorias, telediagnóstico e cursos aos profissionais da rede pública de saúde, por meio de uma plataforma na internet.

A coordenadora do Núcleo Telessaúde MT, Maria Conceição da Encarnação Villa, explica que as teleconsultorias são solicitadas pelos profissionais que atuam nas unidades básicas de saúde dos municípios de Mato Grosso, tendo como foco os processos de trabalho e as dúvidas clínicas para apoio à prática diária e melhora da resolutividade, registrando no ano de 2017 4.126 teleconsultorias respondidas.

“Os gráficos evidenciam que a solicitação de teleconsultoria tem sido utilizada cada vez mais pelos profissionais de saúde, em especial pelo profissional médico como apoio à sua prática clínica, ajudando a evitar encaminhamentos e aumentar a resolutividade da atenção à saúde”, aponta relatório.

Nesse sentido, segundo Maria Conceição, o Hospital Universitário Júlio Muller tem um papel fundamental além da gestão do Núcleo Telessaúde na disponibilização de profissionais médicos para atuarem como telereguladores e teleconsultores, imprimindo qualidade ao serviço e contribuindo para a satisfação do profissional solicitante.

“Tudo parte do princípio da necessidade de um profissional que está lá na ponta. Então, atendemos a atenção básica dos 141 municípios, que são médicos, dentistas, psicólogos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, agente comunitário e de endemia, nutricionistas, entre outros”.

A coordenadora informa que o profissional que tem uma dúvida prática na clínica ou no processo de trabalho deve entrar na plataforma do Telessaúde com seu login, e registrar a dúvida.

Para distribuir as demandas encaminhadas pelos profissionais, o programa conta com três reguladores. Uma vez distribuída a dúvida, ela deve ser respondida pelos teleconsultores em no máximo 72 horas.

“Depois que o profissional recebe a resposta ele avalia se ficou satisfeito e informa se a questão foi resolvida sem precisar regular o paciente para consulta com especialista. Nosso principal objetivo é melhorar a qualidade do serviço oferecido lá no município”, justifica Maria Conceição, lembrando que de 80% a 90% dos casos podem ser resolvidos na atenção básica e que hoje há um número excessivo de encaminhamentos que podem ser evitados.

O profissional que está no município pode encaminhar exames, fotos e outras informações para que o teleconsultor possa fazer o melhor diagnóstico.  Os problemas de pele ainda são os que mais geram demandas e resultam em número de encaminhamentos evitados para consulta com o especialista.

Hoje há 7 mil profissionais da rede básica de saúde de Mato Grosso que já passaram por qualificação para fazer uso do Telessaúde. “Até 2016 quem mais demandava para os teleconsultores eram os enfermeiros e hoje são os médicos”.

Os profissionais da rede básica de saúde interessados em se qualificar para fazer uso da plataforma podem acessar http://www.telessaude.mt.gov.br/ e obter informações detalhadas.

O programa Telessaúde realiza telediagnósticos em eletrocardiograma e estomatologia, como suporte à prática clínica nas unidades básicas de saúde. O Tele ECG está disponível para 15 municípios, sendo ampliado à medida em que o município adquire o equipamento e solicita adesão ao serviço. O tele-estomatologia está disponível para todos os profissionais médicos e dentistas das Unidades Básicas de Saúde do estado.

Os municípios que utilizam o serviço de Tele-ECG são Alto Boa Vista, Santo Antônio do Leverger, Santo Afonso, São José do Rio Claro, Querência, Ipiranga do Norte, Santo Antônio do Leste, Nova Xavantina, Arenápolis, Nova Marilândia, Araguaiana, Nova Mutum, Sapezal, Novo Horizonte do Norte e Sorriso. Está em fase de implantação nos municípios de Novo Santo Antônio, Vila Rica, Cocalinho, Porto dos Gaúchos e Carlinda.

Maria Conceição informa que o Núcleo Telessaúde MT aderiu à oferta nacional de telediagnóstico ECG e realiza o processo de capacitação e transição para a nova Plataforma Nacional de Telediagnóstico, com previsão de início a partir de março de 2018. “Esse novo processo resultará em maior agilidade na entrega dos laudos de ECG para os municípios e possibilidade de ampliação para todos os municípios do Estado”.

Relatório de 2017 revela que foram realizadas 37 solicitações de tele-estomatologia por profissionais de 35 municípios do estado, sendo 28 cirurgiões dentistas e nove médicos.

“Este relatório apresenta os resultados das principais atividades desenvolvidas pelo Núcleo Telessaúde MT no ano de 2017, que ampliou significativamente o número de solicitações de teleconsultorias, expandiu o número de municípios com adesão ao Tele-ECG implantou o telediagnóstico tele-estomatologia, ampliou a equipe de teleconsultores e manteve a parceria com a FAEN/UFMT com Projeto de Extensão”, acrescenta a coordenadora.

História

O primeiro projeto para implantação do Telessaúde em Mato Grosso foi elaborado no ano de 2009, abrangendo 100 pontos iniciais. Em dezembro de 2011 foi celebrado convênio entre o Ministério da Saúde (SGETS) e a Secretaria de Estado de Saúde, para custeio do Telessaúde.

Em 2012 foram elaborados dois projetos para o Departamento de Atenção Básica (DAB) do Ministério da Saúde, um Projeto estadual e um Projeto Intermunicipal. Os dois projetos foram aprovados, mas posteriormente o Ministério da Saúde revogou a aprovação do Núcleo Intermunicipal.

Em 02 de julho de 2013, foi assinado Termo de Compromisso entre a SES e o Telessaúde RS para a realização de teleconsultorias.

Em dezembro de 2014 foi assinado Contrato entre a SES e a Fundação Uniselva para custeio do Núcleo Técnico Científico Telessaúde Mato Grosso com execução pelo Hospital Universitário Júlio Müller com início de suas atividades a partir de janeiro de 2015.

Fonte: SES/MT

<-Voltar