Pesquisa avalia o olhar do paciente sobre tratamento odontológico, em Recife

É importante o papel que o paciente exerce em um tratamento clínico. Em procedimentos odontológicos é recomendável considerar, além dos procedimentos clínicos, a percepção que o indivíduo tem sobre a sua própria saúde. É com esse olhar que o Grupo de Estudos em Saúde Bucal da Fiocruz Pernambuco (Gesb) está desenvolvendo uma pesquisa sobre A validade da necessidade auto-referida de tratamento odontológico em adolescentes, adultos e idosos da Região Metropolitana de Recife-PE.

De acordo com o coordenador do Gesb e pesquisador do Departamento de Saúde Coletiva (Nesc) Rafael Moreira o objetivo do projeto é avaliar a percepção do usuário dos serviços de saúde bucal sobre a necessidade do tratamento odontológico. “Quando ele expuser algum problema, nós vamos comparar essa necessidade percebida com o exame clínico realizado pelo dentista, para analisarmos se, do ponto de vista clínico, aquela determinada demanda realmente existe”, explicou.

A abordagem será dividida em duas etapas: a primeira é a aplicação de entrevista e questionário socioeconômico, que visa coletar informações sobre o acesso dos participantes aos serviços de saúde bucal e suas necessidades auto-referidas. “Também queremos saber como esses pacientes veem a própria condição de saúde, se precisam de algum tratamento e se visitam regularmente o dentista”, completou Rafael. A segunda etapa consiste na realização de um exame epidemiológico para avaliar as condições clínicas dos participantes.

O projeto está sendo realizado nos municípios de Moreno, Itapissuma e no distrito sanitário IV do Recife. Em cada localidade, serão ouvidos 320 adolescentes (15 a 19 anos), 580 adultos (35 a 44 anos) e 150 idosos (65 a 74 anos), aproximadamente. A coleta dos dados será realizada por cirurgiões dentistas e auxiliares que integram o Programa Saúde na Família (PSF) em cada região. Atualmente, os integrantes do PSF em Moreno e Itapissuma estão fazendo o levantamento dos dados. Também já foram iniciados os contatos com a equipe responsável por coletar as informações na cidade do Recife.

Os resultados obtidos serão importantes para a gestão local e para a programação e planejamento da oferta de serviços de saúde bucal. “O fato de se conseguir realizar levantamentos epidemiológicos sem a necessidade de um profissional com formação superior na pesquisa de campo já fornece uma importante estimativa sobre os problemas que a população demanda e quantos necessitam de atendimento”, finalizou Rafael. A previsão é de que os primeiros resultados sejam divulgados no segundo semestre de 2013.

A pesquisa conta com a colaboração de professores dos departamentos de Medicina Social e Odontologia da Universidade Federal de Pernambuco, pesquisadores da Universidade de Pernambuco, além do apoio das secretarias municipais e estadual de saúde. Contribuem também mestrandos do Nesc e dentistas da Secretaria de Saúde do Recife.

Por Sávio Gabriel / Fiocruz Pernambuco

<-Voltar