Plano capacita profissionais para situações de emergências em saúde pública

Fortalecer a infraestrutura do país e capacitar profissionais para lidar com situações de emergência no âmbito da saúde pública. Esse é o objetivo do Plano de Preparação e Resposta às Emergências, apresentando nesta quinta-feira (18), na 12ª Expoepi. Desenvolvido pelo Ministério da Saúde e Governo Federal desde 2006, o plano vem organizando centros de formação de equipes para responder rapidamente às emergências com respostas e investigação de possíveis surtos e desastres.

O coordenador-geral de Vigilância e Resposta às Emergências em Saúde Pública, Wanderson Kleber de Oliveira, explicou as ações estratégicas que preparam o Sistema Único de Saúde (SUS) para dar conta de qualquer situação de emergência. “Ele normatiza e esclarece quais são os nossos papéis e a nossa capacidade de respostas em determinadas situações. Nós já estamos com estratégias em andamento, como a dispensação de medicamentos e a distribuição das vacinas. Assim, estamos aprimorando a nossa capacidade”, explicou.

De acordo com Wanderson, à medida em que o de emergência é estruturado, outros planos específicos também são desenvolvidos para reforçar a capacidade de resposta do SUS, como o de eventos de massa, de desastres e o contra influenza. “Esses planos organizam a estrutura do governo. Por exemplo, se em uma situação de rotina eu tenho um procedimento de comprar passagem para mandar um técnico para apoiar um estado em um momento rotineiro, durante a emergência, nós temos a capacidade de emitir a passagem de modo muito mais rápido, permitindo que no mesmo dia enviemos técnicos no prazo para o local onde está ocorrendo o incidente”, esclareceu o coordenador.

Wanderson ressaltou o trabalho da Força Nacional do SUS, que neste momento está atuando em conjunto com o estado do Amazonas e a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) na fronteira com o Peru. “Nós temos profissionais trabalhando em várias situações onde a capacidade local precisa ser fortalecida e integrada com os estados e municípios afetados”, reforçou.

O coordenador destacou, ainda, os trabalhos da Câmara Temática da Copa 2014, nos quais se discute o planejamento das ações de saúde das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol de 2014. Por meio da regulação de emergências, já está estabelecido uma estratégia de comunicação para a população, com orientação aos viajantes, treinamento de equipes para resposta rápida e a promoção da saúde.

“Vamos aproveitar o momento para promover, além da prevenção de desastre, a promoção da saúde. E durante o evento estaremos em todas as capitais com todas as equipes altamente qualificadas para atender qualquer situação de emergência. No caso de evento, que é diferente de um desastre, eu me preparo para a possibilidade de alguma ocorrência inesperada e as instituições estão sendo preparadas para isso. Um exemplo observado foi a Olimpíadas de Londres em que havia todo um sistema em que se houvesse qualquer ocorrência as pessoas estavam protegidas. Eu tenho certeza que com uma boa preparação teremos um grande evento”, concluiu.

O Ministério da Saúde está desenvolvendo a atualização do curso básico de vigilância em saúde. A previsão é que seja colocado à disposição dos profissionais a partir de dezembro.

Gabriella Vieira / Blog da Saúde

Foto: Blog da Saúde

<-Voltar