Profissionais de saúde do Haiti conhecem SAMU 192

Grupo visita o SAMU no DF, São Paulo e Salvador para conhecer a estrutural funcional dos serviços de urgência e emergência brasileiros

O Ministério da Saúde promove nesta semana mais uma ação para o projeto de fortalecimento do Sistema de Saúde e Vigilância Epidemiológica do Haiti. Uma comitiva formada por médicos e enfermeiros haitianos chegou está no Brasil para conhecer o processo de gestão e a estrutura funcional dos serviços de urgência e emergência do SUS. A agenda inclui visitas às principais Centrais de Regulação e Bases Descentralizadas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) no Distrito Federal, São Paulo e Salvador (BA). Formação e capacitação de profissionais de saúde estão entre os principais objetivos do grupo.

A comitiva dos profissionais de saúde do país caribenho é formada por um psiquiatra, um ortopedista, especializado em traumas, uma enfermeira chefe e dois técnicos de enfermagem. A visita faz parte do Projeto Haiti, cooperação firmada entre os governos do Brasil, do Haiti e de Cuba, voltada ao fortalecimento do sistema de saúde haitiano, destruído por um terremoto que atingiu o país em 2010. No Brasil, o projeto é coordenado pelo Ministério da Saúde e conta com parceiros como a Fundação Oswaldo Cruz e as universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS) e de Santa Catarina (UFSC). “Dividir conhecimento e experiências com outros países mostra que temos qualidade nos serviços de urgência e emergência no país e estamos no caminho certo”, avaliou o coordenador-geral de Urgência e Emergência do Ministério da Saúde, Paulo de Tarso Abrahão.

O acordo de cooperação prevê a ajuda do Brasil na recuperação e construção de unidades hospitalares. Também deve contribuir para a aquisição de equipamentos, ambulâncias e insumos de saúde, além de viabilizar bolsas para capacitação de profissionais de saúde haitianos. O governo brasileiro também deve qualificar a gestão assistencial e de vigilância epidemiológica no Haiti e apoiar medidas de fortalecimento do sistema de atenção básica de saúde.

Desde o terremoto, o Ministério da Saúde já doou 30 ambulâncias para o Haiti – todas Unidades de Suporte Básico (UBS) equipadas com Desfibrilador Externo Automático. A população conta também com uma Central de Regulação em Porto Príncipe, capital do país.

A comitiva está em Brasília e na próxima quinta-feira (22), o grupo de haitianos segue para a capital paulista e no dia 24, para Salvador (BA). Na capital baiana a comitiva vai visitar a base do SAMU em Salvador e participar do curso introdutório pelo Núcleo de Ensino do Samu. O retorno para Porto Príncipe está previsto para o dia 2 de dezembro.

AÇÃO CONJUNTA – Há dois anos, desde o terremoto que vitimou aproximadamente três milhões de haitianos, diversas ações vêm sendo desenvolvidos para ajudar o Haiti a se recuperar da tragédia. Dois laboratórios especializados em vigilância epidemiológica foram reconstruídos e estão sendo equipados. Dois técnicos do Laboratório Nacional de Saúde Pública (LNSP) do Haiti receberam cursos de capacitação no Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (IPEC) da Fiocruz, instituição brasileira referência no campo da vigilância em saúde.

Com o objetivo em melhorar o atendimento à população haitiana, estão sendo formados agentes comunitários de saúde. Pelo Projeto Haiti, já foram capacitados 58 agentes e seis turmas estão em processo de formação. Juntas, vão qualificar 180 novos profissionais para atuarem nas regiões de Carrefour, Bon Repos e Beudet, na região metropolitana de Porto Príncipe. A meta é formar cerca de mil agentes comunitários até o término do projeto (em 2014).

Por Cristina Gumiero, da Agência Saúde – Ascom/MS
(61) 3315.6260/3580

<-Voltar