Revista do CFM debate a judicialização, com a participação do Dr. Fernando Cupertino

 

 

DEVE O MÉDICO SE PREOCUPAR COM EVENTUAIS IMPACTOS MILIONÁRIOS QUE SUA DECISÃO PODE GERAR?

QUAIS OS LIMITES DA INTERMEDIAÇÃO DO MÉDICO ENTRE O INTERESSE DO PACIENTE E O DA INDÚSTRIA?

O MÉDICO PODE PRESCREVER MEDICAMENTOS OU TRATAMENTOS NÃO REGISTRADOS OU VÁLIDOS NO BRASIL E NÃO CONSTANTES DE PROTOCOLOS CLÍNICOS DO SUS?

 

A resposta a esses questionamentos envolve análises complexas que foram assumidas pelos entrevistados da revista do CFM: a presidente da Sociedade Brasileira de Bioética (SBB), Regina Ribeiro Parizi Carvalho, e o professor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Fernando Passos Cupertino de Barros, também assessor do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS).

 

Leia a matéria completa aqui.

Leia a edição completa aqui.

<-Voltar