Roraima – CHIKUNGUNYA: quase 200 profissionais treinados pelo Ministério da Saúde

Treinamento foi ministrado por infectologista enviado pelo Ministério da Saúde

Para garantir a identificação imediata e proporcionar o tratamento precoce da febre Chikungunya, a Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) treinou na manhã desta terça-feira, 9, no auditório do Conselho Regional de Medicina (CRM), aproximadamente 200 profissionais, entre médicos e enfermeiros do Estado, sobre a doença.

Conforme o diretor do Departamento de Vigilância Epidemiológica (DVE), Joel Lima, profissionais do estado e dos municípios, e ainda os que atuam na rede privada de saúde, participaram da capacitação. “A nossa intenção é que a população tenha a assistência adequada, seja qual for o local em que procure por atendimento de saúde” informou.

O treinamento foi ministrado por um médico infectologista do Ministério da Saúde. O infectologista concedeu informações sobre o manejo clínico da doença a fim de melhorar a capacidade desses profissionais de detectarem a entrada de novos casos suspeitos em Roraima.

Desde que se intensificaram os casos de febre chik na Venezuela, na fronteira com Roraima, tem havido uma sensibilização junto a representantes das Unidades de Vigilâncias Epidemiológicas (UVE) dos hospitais referências de Roraima e municípios considerados estratégicos neste combate.

Uma das medidas adotadas sobre os cuidados para garantir que a epidemia do país vizinho não chegue ao Brasil por Roraima, foi decretado estado de alerta para a dengue e chikungunya, no dia 18 de agosto deste ano. Lima lembra que desde o decreto de alerta, várias providencias de combate e controle já foram tomadas, entre elas, reuniões com os municípios a fim de orientá-los sobre as ações a serem realizadas.

Como o treinamento de hoje também faz parte das ações de controle da febre, o diretor ressalta que agora os profissionais capacitados terão um olhar mais clínico para a situação. “O médico do Ministério explicou sobre a forma da realização da triagem, sobre o manejo clínico e orientou sobre a sintomatologia da doença”, informou Lima.

Para a população que sentir os sintomas de dengue ou da febre chikungunya, Lima orienta que os Centros de Saúde estão preparados para realizarem o diagnóstico e iniciar o tratamento das dos sintomas. “Apenas em casos mais graves, o próprio médico deverá encaminhar o paciente às unidades mais estruturadas”, disse ele.

Os profissionais que não puderam ser capacitados hoje, haverá um segundo treinamento previsto para este mês. “Os profissionais do interior do estado ainda receberão as orientações sobre a doença e juntamente com eles, os médicos e enfermeiros da capital terão outra oportunidade”, esclareceu Lima em relação aos profissionais que estavam de plantão, garantindo que eles não ficarão sem receber o treinamento.

SINTOMAS CHIKUNGUNYA

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares. Quem tiver estes sintomas da doença deve procurar um posto de saúde o quanto antes.

Sobre a prevenção, valem as mesmas regras aplicadas à dengue: ela é feita por meio do controle dos mosquitos que transmitem o vírus. Portanto, evitar água parada, que os insetos usam para se reproduzir, é a principal medida. Em casos específicos de surtos, o uso de inseticidas e telas protetoras nas janelas das casas também pode ser aconselhado.


Foto: Ascom Sesau

Por: Wanessa Carvalho/Sesau

ASCOM SESAU
(95) 2121-0507
www.saude.rr.gov.br

<-Voltar