Roraima – Primeiro caso de H1N1 é investigado em RR

O primeiro caso suspeito de H1N1, deste ano, é investigado em Roraima. O Laboratório Central de Roraima (Lacen) emitiu nesta quinta-feira, 23, resultado positivo para influenza A. Agora o material será enviado ao laboratório de referência para os estados da região Norte, o Instituto Evandro Chagas (IEC), no Pará, para identificação do sorotipo que o vírus pertence. O resultado deve sair em dez dias.

Até o momento, no Brasil, houve mais de 60 óbitos por esse tipo de gripe, a maioria em São Paulo, conforme o Ministério da Saúde. Desde 2009, quando houve a pandemia da doença, Roraima registrou 82 casos de gripe por H1N1. O último foi em 2012. Em 2009, foram 81. Segundo a gerente Núcleo de controle da Influenza da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), Mônica Laís Soares, não há registros da doença nos anos de 2010 e 2011.

O caso suspeito em Roraima é de um paciente venezuelano, de 62 anos. Ele estava internado em Santa Elena de Uairén e, devido ao agravo da doença, foi encaminhado ao Hospital Geral de Roraima (HGR). O médico que o acompanhava informou à equipe do HGR que o paciente estava com suspeita de ter contraído o vírus H1N1.

De acordo com diretor do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS), Rodrigo Brasil, independente do subtipo, gripe mata, principalmente se houver outra doença de base. É o caso do paciente com o caso suspeito. Sabe-se que ele é idoso e fumante, fatores que agravam a situação. Por isso, há pessoas classificadas em grupos riscos durante as campanhas de vacinação, como gestantes, idosos e pacientes com doenças crônicas.

Brasil destaca, ainda, que independente do tipo de vírus, a população tem de tomar alguns cuidados para evitar a doença, em especial, nesse período de inverno, que é considerado um momento de transmissão. “Quem tiver com sintomas de gripe deve procurar um médico. Para evitar a transmissão da doença, o ideal é lavar as mãos constantemente, não compartilhar copos, talheres com outras pessoas, manter repouso e evitar lugares fechados e com aglomerações de pessoas”, recomenda.

A Vigilância em Saúde do Estado monitora os casos de gripe em Roraima. Para isso, desde 2004, o Lacen recebe semanalmente amostras das unidades para analisar o material e emitir o diagnóstico. Esse material é enviado pelas unidades sentinelas do município de Pacaraima na unidade de saúde Délio Tupinambá, HGR e Hospital da Criança Santo Antônio (HCSA), Policlínica Cosme e Silva (PCS) e Casa de Saúde do Índio (Casai).

O trabalho é feito identificar o vírus circulante. O laboratório detecta os vírus do tipo adenovírus, sincicial respiratório, parainfluenza 1, 2 e 3 e influenza A e B. Os casos de influenza são encaminhados ao IEC para identificarem o subtipo viral, se H1N1, por exemplo. O trabalho faz parte de um estudo nacional. Com as informações, o Ministério da Saúde (MS) prepara as vacinas do ano seguinte.

H1N1

O vírus da gripe A H1N1, que surgiu em 2009, no México, ainda circula no mundo inteiro, mas é pouco provável a ocorrência de epidemias, como a pandemia de 2009, quando o Brasil registrou 2.060 óbitos. Em agosto de 2010, com base nos dados epidemiológicos registrados, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a pandemia como encerrada. Entretanto, continuam ocorrendo casos e pode haver surtos localizados.

Agora, grande parte da população está protegida contra o vírus, seja porque teve a infecção natural em 2009 ou porque se vacinou na campanha de vacinação realizada pelo Ministério em 2012. Vale ressaltar que a vacina só tem duração de um ano. O Brasil vacina todos os grupos classificados pela OMS de maior vulnerabilidade para desenvolver a forma mais grave da doença, com risco de evoluir para o óbito. A campanha de vacinação contra a gripe para o inverno de 2012, recentemente realizada, atingiu cobertura acima de 80%, uma das mais altas do mundo.

DADOS

Segundo divulgação do MS, no Brasil, de 1º de janeiro a 12 de maio de 2013, foram notificados 4.713 casos hospitalizados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), destes 388 casos foram confirmados para o vírus Influenza A (H1N1). No mesmo período deste ano, foram confirmados 391 óbitos por SRAG, sendo 61 por A (H1N1). Durante o ano de 2012, foram registrados 20.539 casos da SRAG, sendo confirmados 2.614 para A (H1N1). No ano passado, foram contabilizadas 1.931 mortes, sendo 351 pelo vírus pandêmico.

Rebeca Alencar/Sesau
ASCOM SESAU
(95) 2121-0507
www.saude.rr.gov.br

<-Voltar