Saúde adere a Campanha de Proteção de Crianças e Adolescentes durante a Olimpíada

“Respeitar, Proteger e Garantir — Todos Juntos pelos Direitos das Crianças e Adolescentes” é o tema da campanha nacional

 

BRASÍLIA (4/08/16) – Cerca de cem voluntários estarão nas proximidades do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha nos dias dos dez jogos de futebol que ocorrerão na cidade para alertar torcedores sobre as principais violações de direitos que podem ocorrer durante grandes eventos.


Conselheiros tutelares, servidores da Secretaria de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude e da Secretaria de Saúde, além de jovens voluntários dos Centros de Juventude do DF e do Comitê Consultivo de Adolescentes do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente abordarão turistas e moradores da cidade para falar de temas como exploração sexual e do trabalho de crianças e adolescentes durante a Olimpíada 2016.


A Secretaria de Saúde aderiu à campanha nacional “Respeitar Proteger Garantir — Todos Juntos pelos Direitos das Crianças e Adolescentes”. Além de informar sobre as violações dos direitos das crianças e adolescentes mais recorrentes em grandes eventos, serão informados também os principais canais de denúncia: o Disque 100, o aplicativo Proteja Brasil e os Conselhos Tutelares.


Será disponibilizado material educativo sobre violência no “Ponto de mobilização, proteção e apoio para Garantia dos Direitos de Crianças e adolescentes”, na Torre de TV, que funcionará nos dias dos jogos.


Toda a rede de saúde do DF está preparada para atender e intervir nas situações de violência. A equipe do Núcleo de Estudos e Programas na Atenção e Vigilância em Violência (Nepav), da Secretaria de Saúde do DF, fará parte do “Grupo de Trabalho de Proteção” da Secretaria da Criança, Adolescente e Juventude, esclarecendo as dúvidas sobre o atendimento especializado nos hospitais de referência nos dias dos jogos Olímpicos em Brasília.


“A pessoa em situação de violência deverá ser atendida pela rede pré-hospitalar (SAMU e Upas) e nas emergências dos Hospitais Regionais. Nas situações em que envolvam violência sexual será realizada a profilaxia e notificação imediata. Em todas as situações de violência deverá ser realizado o encaminhamento para o Programas de Pesquisa, Assistência e Vigilância em Violência (PAVs) de referência para o atendimento especializado posterior”, informa a chefe do Nepav, Fernanda Figueiredo.

<-Voltar