Secretário apresenta o atual cenário da dengue em Minas em reunião com Governador e órgãos públicos

Secretário apresenta o atual cenário da dengue em Minas em reunião com Governador e órgãos públicos

O Governador Antônio Anastasia e o Secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge Marques se reuniram hoje (31/01) com secretários e dirigentes de órgãos e empresas públicas para discutir a situação da dengue em Minas. A reunião foi realizada no Palácio Tiradentes.

O Governador abriu a reunião falando da importância da participação de todos presentes e lembrou também que estamos apenas no início da temporada da doença. “Podemos observar a gravidade do problema. Lembro que em 2010 foi um ano critico, com muitos casos, porém com uma grande mobilização revertemos o caso. A dengue é algo que podemos controlar, não só o poder público, mas toda a população. Temos que tomar iniciativas juntos. É extremamente importante que todos aqui se desdobrem e tragam sugestões nos próximos encontros. É nossa responsabilidade evitar que essa situação piore”.

O Secretário Antônio Jorge apresentou o atual cenário da dengue no Estado. Segundo o Secretário, o aumento dos números é expressivo no começo deste ano. “Sabemos que 80% dos criadores estão nos domicílio. Infelizmente no final do ano passado tivemos um óbito pelo sorotipo 4. Até o dia de hoje tivemos 19.805 casos confirmados. Temos 54 municípios com alta transmissão e 42 com média transmissão. Já investimos 26 milhões do tesouro estadual para ações de combate a dengue.”

Antônio Jorge, explicou todas as ações feitas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES). “Temos a mobilização social que apresenta teatros, concursos e trocas de objetos por material escolar, o concurso denguemob que premia mensalmente ações de cidadãos de combate a dengue. A Força Tarefa Estadual atualmente conta com 280 homens em campo. Somente no ano de 2013, a Força Tarefa já atendeu 9 municípios em situação crítica. Além da equipe de agentes de campo, foram adquiridos 30 novos equipamentos de ultra-baixo volume (UBV) que estão em fase de montagem.”

A SES conta ainda com o teste rápido NS1 que em súbita dos números de casos, permite a detecção precoce da doença, principalmente nos primeiros dias. O resultado sai em cerca de 20 minutos. Atualmente, o teste já foi descentralizado para 10 unidades regionais de saúde prioritárias, para uso em unidades de reidratação.

Casos

No LIRAa de janeiro de 2013, 38 municípios diminuíram seus índices em relação a Janeiro de 2012, 28 aumentaram e 1 manteve.
Foram realizadas visitas por técnicos da Vigilância, Assistência e Mobilização Social da SES/MG para diagnóstico da situação local e elaboração de plano de trabalho em 21 municípios do Estado, até o momento: Ipatinga, Timóteo, Coronel Fabriciano, Uberaba, Veríssimo, Delta, Ituiutaba, Montes Claros, Ipanema, Governador Valadares, Teófilo Otoni, Águas Formosas, Divinópolis, São Gonçalo do Pará, Pirapora, Buritizeiro, Ibiaí, Sete Lagoas, Leopoldina, Pirapetinga e Augusto de Lima.

Municípios de alto risco: Arcos, Bom Despacho, Campo Belo, Conceição das Alagoas, Dores do Indaiá, Formiga, Governador Valadares, Guaxupé, Itabira, Itauna, Ituiutaba, Januária, João Monlevade, Juiz de Fora, Matozinhos, Montes Claros, Nova Lima, Nova Serrana, Paracatu, Pompéu, Ribeirão das Neves, São João del Rei, Uberaba e Vespasiano.O maior índice observado foi do município de Bom Despacho.

Coletiva de imprensa

O Governador e o Secretário deram ainda uma coletiva à imprensa reafirmando o apoio de toda população e ressaltando a importância do 155, número que o cidadão liga, tira dúvidas, faz denúncias e pode solicitar a visita de um agente de combate à dengue em casa.

O Secretário deixou ainda um alerta para os novos prefeitos. “Para os prefeitos que estão assumindo ou assumiram as prefeituras agora em janeiro, é de suma importância que priorizem o combate à dengue em sua cidade. Em alguns municípios o combate já começou mesmo não tendo casos. O comportamento da dengue tem se tornado agressivo,  por isso não vamos deixar que esse cenário fique pior”, concluiu o Secretário.

Créditos: Henrique Chendes

<-Voltar