Secretário fala sobre gestão compartilhada, em Congresso Médico Jurídico

4_CongressoO secretário de Estado da Saúde Leonardo Vilela participa, de 24 a 26 de agosto, do 4º Congresso Brasileiro Médico Jurídico, que acontecerá em Vitória, Espírito Santo. Ele será um dos palestrantes, com o tema Avaliação do Modelo Organização Social Sobre o Prisma da Eficiência e da Satisfação dos Usuários.

O congresso terá como eixo central o crescimento da judicialização, a gestão do SUS e o financiamento público das atividades e ações em saúde, considerando os principais desafios do momento, que são o crescimento e o envelhecimento da população, a escassez de recursos e o alto custo das tecnologias e medicamentos. O evento reunirá médicos, gestores públicos, juristas e especialistas, em diversas áreas da saúde, do direito e da administração, para tratar dos assuntos em questão de forma plural e abrangente.

A abertura acontecerá, às 20 horas, do dia 24, com a conferência O SUS: atualidades e perspectivas, do Ministro da Saúde Ricardo Barros. O Secretário Leonardo Vilela falará no dia 26 de agosto, às 9h45. “Atualmente, 17 hospitais da rede hospitalar do Estado de Goiás são administrados por OSS e pesquisa do Instituto Serpes constatou índice de satisfação de usuários e familiares superior a 92%”, estima o secretário.

Segundo o coordenador científico do Congresso e desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, João Pedro Gebran Neto, o evento é um marco na discussão sobre o direito à saúde. “O congresso aponta a interdisciplinariedade e o respeito aos diferentes pontos de vista como meio para busca de soluções. O financiamento da saúde, os meios de gestão, a medicina baseada em evidências, o papel do terceiro setor e aspectos da saúde suplementar serão alguns dos tópicos em debate. Acredito que, pelo quarto ano consecutivo, conseguiremos ofertar propostas para alguns dos graves problemas da saúde”, diz.

O Congresso reunirá agentes públicos e alguns dos mais destacados especialistas e juristas do país para uma avaliação pluralista e abrangente da atual legislação, gestão e financiamento das Políticas Públicas de saúde no Brasil, no plano federal, estadual, distrital e municipal. Entre eles, estão: o ministro da Saúde, Ricardo Barros; o coordenador do Fórum Nacional da Saúde do CNJ e procurador de Justiça do MP-SP, Arnaldo Hossepian; e o diretor da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Hélcio Bertolozzi.


Gestão por OS em Goiás

Em 2012, a SES-GO enfrentava inúmeras dificuldades para administrar seus hospitais, sendo a burocracia, o maior de todos os entraves. Vários órgãos de fiscalização e controle faziam com que a aquisição de medicamentos e insumos ou mesmo a manutenção de equipamentos demorasse, em média, um ano e meio.

Para tornar a administração mais ágil e eficiente, a SES-GO passou a compartilhar a gestão dos hospitais com organizações sociais em saúde (OSS), o que diminuiu a burocracia e permitiu a solução de problemas com mais rapidez.

O secretário Leonardo Vilela destaca que a implantação do modelo em hospitais públicos goianos resultou em melhorias no atendimento à população. “Entre 2011 e 2015, foram registrados avanços de 137% nos atendimentos ambulatoriais e 52% nas cirurgias. Também houve um acréscimo de 71% na quantidade de leitos hospitalares e quatro hospitais receberam o certificado de Acreditação da ONA, mostrando a eficiência do modelo em Goiás”, finaliza.

 

Comunicação Setorial da SES-GO

<-Voltar