Secretário Leonardo Vilela anuncia estratégias contra o Aedes no período chuvoso

vilela_goO secretário de Estado da Saúde, Leonardo Vilela, anunciou nesta segunda-feira, 10, na Escola de Saúde Pública Cândido Santiago, a intensificação, já para o próximo dia 17, da “Ação Goiás contra o Aedes”. A retomada da operação iniciada em dezembro de 2015 tem como meta erradicar o mosquito do território goiano e proteger a população contra dengue, zika e chikungunya, especialmente durante o período chuvoso. Com a grande mobilização contra o vetor, cerca de 13 milhões e 786 mil domicílios goianos foram visitados, com mais 98 mil focos do Aedes retirados por agentes de Saúde, voluntários e Corpo de Bombeiros Militar.

“Temos um agravante com o registro de casos autóctones (originários no próprio estado) de chikungunya, que é uma doença altamente incapacitante e provoca dores fortíssimas nas juntas e que muitas vezes demoram até anos para passar. As pessoas podem perder a capacidade de trabalhar. O prejuízo a pessoa, a família do doente e o prejuízo econômico que isso traz é muito alto”, salientou.

Leonardo pontuou que com o início do período chuvoso, com calor, umidade e água parada é preciso intensificar as ações porque todos esses fatores são favoráveis para a proliferação do mosquito. “Precisamos contar com a ajuda da sociedade, das secretarias municipais de Saúde, Corpo de Bombeiros, prefeituras, para não deixarmos que essas doenças causadas pelo Aedes se alastrem”, disse.

Esteve presente ao encontro o comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás, Coronel Carlos Helbingen Júnior. “Iremos fomentar ainda mais a relação de todos os órgãos envolvidos nesse processo para erradicar o mosquito. Traremos, ainda, nossa expertise em gestão de crises para atuar em campo”, salientou.

Otimismo
Leonardo anunciou os pontos favoráveis da “Ação Goiás contra o Aedes”, que acontece em Goiás desde dezembro de 2015. “Mais de 100 mil focos foram eliminados, ou seja, não deixamos nascer 100 milhões de novos mosquitos. Conseguimos 30 municípios sem nenhum índice de Aedes Aegypti até o meio do ano; baixamos de 10 mil casos notificados de dengue por semana, em fevereiro, para 100 e 150 casos por semana agora no mês de outubro. Em janeiro deste ano cerca de 4% dos domicílios goianos tinham focos do mosquito contra apenas 0,13% em outubro”, elencou.

Microcefalia
O secretário também mencionou apenas um caso de microcefalia relacionado ao zika vírus em Goiás, o que não configura epidemia dessa doença. “Contudo, não há motivo para acomodação. “Sei que é cansativo, exaustivo esse trabalho. Mas não devemos desanimar. Pensemos no bem que estamos fazendo à sociedade. Pessoas que deixam de morrer em decorrência de dengue hemorrágica e de crianças que não nasceram com microcefalia”, disse Leonardo, ao motivar o efetivo do corpo de bombeiros presente ao evento e aos profissionais de Saúde envolvidos.

Ele disse, ainda, que o trabalho contra o Aedes em Goiás é vitrine para o Brasil e que o próprio Ministério da Saúde admitiu a coragem, ousadia e comprometimento do Governo goiano em erradicar o Aedes do Estado. Leonardo aponta, como ponto positivo para intensificação das visitas domiciliares, a experiência para enfrentar o período chuvoso, onde todas as equipes envolvidas estiveram em campo desde dezembro do ano passado, além do devido conhecimento adquirido em lidar com imóveis fechados. “Isso porque temos legislação pertinente e sabemos, na prática, como utilizá-la para entrar nesses imóveis e fazer a retirada dos focos”, disse. Por fim, ele salientou que há um melhor engajamento da sociedade, onde observa-se uma consciência muito maior do manejo ambiental, no envolvimento dos municípios e das secretarias municipais de Saúde.

Veja dados da operação Goías contra o Aedes:
(janeiro a outubro)
– Imóveis visitados: 13 milhões e 786 mil
– Focos eliminados: 98.892 mil
– Índice de Infestação: caiu de 3,99% para 0.13%
– Redução total: 95%

Fonte: SES/GO

<-Voltar