SES/DF – Governos local e federal se unem para combater Aedes aegypti

Forças armadas, Corpo de Bombeiros e Secretaria de Saúde mobilizaram mais de 19 mil servidores. Eles percorrem ruas e casas à procura de criadouros do mosquito

Ádamo Araujo, da Agência Brasília

13 de fevereiro de 2016 – 11:55

Foto: Pedro Ventura/Agência BrasíliaO presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, o governador em exercício de Brasília, Renato Santana, e o secretário de Saúde, Fábio Gondim, acompanharam a operação

A força-tarefa começou por Brazlândia por ser a região administrativa com mais casos confirmados da doença em todo o Distrito Federal neste ano. Foram 420 de um total de 1.587, de acordo com Informativo Epidemiológico nº 6, divulgado pela Secretaria de Saúde na sexta-feira (12).

O combate ao Aedes aegypti envolve 18 mil homens das forças armadas no DF e em municípios goianos do Entorno, como Cristalina, Luziânia, Santo Antônio do Descoberto, Valparaíso e Formosa. Além disso, 1,1 mil bombeiros e 500 agentes da Vigilância Ambiental atuam na eliminação dos criadouros do mosquito e na conscientização dos moradores.

A Agência de Fiscalização (Agefis) distribuiu 120 agentes em 60 equipes por todo o Distrito Federal. O Serviço de Limpeza Urbana (SLU) contabilizou cerca de 150 garis, 42 caminhões, nove pás carregadeiras e cinco caçambas manuais. Do total de militares das forças armadas destacados para o DF e para o Entorno, 5.450 se concentraram nos serviços de logística, administrativo e operacional. Diretamente no trabalho de rua, o Exército colocou 10 mil praças e oficiais, a Marinha contribuiu com 1,3 mil e, a Aeronáutica, com 1.250.

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, representou a presidente Dilma Rousseff na ação e destacou o esforço para reduzir os casos no Brasil inteiro. “Nossa meta é chegar a três milhões de residências visitadas em todo o país”, contou. Já o vice-presidente corporativo da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, Swedenberger Barbosa, frisou que os cerca de 60 mil carteiros do país entregarão nacionalmente 20 milhões de panfletos sobre combate ao inseto e conscientização social.

Brazlândia
Escolhida para sediar a abertura do evento em função da grande incidência de casos, Brazlândia recebeu atenção especial. O Corpo de Bombeiros destacou 200 militares para a região administrativa, a Defesa Civil encaminhou 15 agentes, além de outros 18 agentes da Diretoria de Vigilância Ambiental, da Secretaria de Saúde, e 12 servidores da Agefis. A Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) recolheu entulhos em 40 caminhões e oito pás carregadeiras. Já o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) enviou 18 garis, uma pá carregadeira e cinco caminhões.

“Brasília está usando toda estrutura e métodos científicos conhecidos para erradicar os focos do inseto. O que é possível, estamos fazendo”, destacou o secretário de Saúde, Fábio Gondim.

A equipe iniciou o trabalho na Quadra 15 do Setor Tradicional de Brazlândia, na casa da aposentada Adelaide Lopes Lucas, 79 anos, que teve dengue no fim do ano passado e ficou internada por cinco dias até se recuperar. De acordo com o filho, Ismael Lopes Lucas, 47 anos, a família não se preocupava tanto com o combate ao mosquito, mas garantiu mudar os hábitos a partir de agora. “Todos os dias tiramos água e sujeira”, disse o carregador.

O governador em exercício do DF, Renato Santana, estava acompanhado do chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio; dos secretários de Mobilidade, Marcos Dantas; de Economia e Desenvolvimento Sustentável, Arthur Bernardes; de Justiça e Cidadania, João Carlos Souto; do presidente da Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb), Maurício Luduvíce; do comandante-geral do Corpo de Bombeiros, coronel Hamilton Santos Esteves Júnior; do administrador regional de Brazlândia, André Luis Queiroz Rosa; do comandante da 11ª Região Militar do Exército Brasileiro, general Riyuzo Ikeda; do deputado federal Rogério Rosso (PSD), da presidente da Câmara Legislativa, deputada Celina Leão (PDT); do líder do governo na Câmara Legislativa, deputado Julio Cesar Ribeiro (PRB), entre outros parlamentares da Casa.

<-Voltar