Sespa entrega projeto de gestão, planejamento e regionalização da Saúde

A Secretaria de Saúde do Pará (Sespa) e representantes do Ministério da Saúde (MS) e do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde do Pará (Cosems) celebraram na manhã desta quinta-feira (03), em Belém, a entrega de projeto de aprimoramento das ações de gestão, planejamento e regionalização da saúde. A oficialização do documento atende aos requisitos da portaria nº 1.812, de 22 de julho de 2020, que destinou R$ 15,7 milhões às secretarias de Saúde dos Estados e do Distrito Federal.

Assinaram o documento o secretário de Saúde do Pará, Romulo Rodovalho Gomes; o coordenador do Núcleo de Planejamento da Sespa, Luís Otávio Costa; a representante do Núcleo Estadual do MS, Marli Rosa, e a representante do Cosems, Valderez Fortunato.

O valor do repasse varia de acordo com a quantidade de municípios de cada Estado. No Pará, os recursos serão de até R$ 450 mil, quantitativo destinado a unidades com até 200 municípios.

Para ter acesso ao valor, os três entes tiveram que apresentar projeto com foco no aprimoramento das ações de gestão, planejamento e regionalização da saúde, visando à organização e à governança da Rede de Atenção à Saúde (RAS), no Pará, que atendem temáticas prioritárias, como Rede Cegonha, de atenção psicossocial, doenças crônicas, urgências e emergências e de atenção à pessoa com deficiência.

A portaria nº 1.812 estipula normas para a aprovação dos projetos. Durante o processo, são três as etapas, que vão da construção do projeto à liberação do recurso. A ação faz parte do Programa de Aprimoramento, Articulação e Cooperação Interfederativa em Saúde do MS. O resultado da aprovação dos projetos, pelo órgão federal, e a liberação dos recursos serão publicados em portaria e liberado via Fundo Nacional de Saúde (FNS).

A iniciativa foi pactuada com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

PRODUTOS

Num primeiro momento, o Departamento de Gestão Interfederativa e Participativa (DGIP) disponibilizou um projeto para servir de base aos gestores. Nesse ínterim, o projeto apresentado nesta quinta-feira (03)  pelo Núcleo de Planejamento (Nisplan) da Sespa indica, entre outras providências, a geração dos seguintes produtos: Planejamento Regional Integrado implantado; Comitês Executivos de Governança (CEG) das RAS instalados; Novos gestores do SUS municipal que assumirão em 2021 acolhidos; Quatro Macrorregiões de Saúde implantadas; Planos Regionais Integrados das Redes de Atenção à Saúde prioritárias (Materno Infantil, Urgências e Emergência e Doenças Crônicas Não Transmissíveis) construídos e Programação Assistencial de Média e Alta Complexidade implantada.

Durante a segunda etapa, o DGIP fica responsável por analisar e se manifestar positivamente ou negativamente sobre o projeto apresentado ao Ministério da Saúde. O departamento dará publicidade ao parecer com resultado da análise. Após passar por validação do órgão ministerial, o recurso será liberado fundo a fundo, em parcela única. Assim como as demais secretarias estaduais, a Sespa deverá prestar contas sobre o projeto e a execução do recurso por meio do Relatório Anual de Gestão (RAG).

O titular da Sespa, Romulo Rodovalho Gomes, destacou o trabalho em conjunto entre os entes envolvidos e recomendou o debate mais amplo sobre o projeto elaborado para o MS nas próximas reuniões das Comissões Intergestores Bipartite (CIB), que acontecem mensalmente entre representantes da Sespa, das Secretarias Municipais de Saúde e do Cosems.

“Ao todo serão 18 meses para a execução das ações previstas no projeto apresentado”, explicou o secretário estadual de Saúde, Romulo Gomes.

Fonte: AScom SES/PA

*Com informações do Ministério da Saúde

<-Voltar