Sistema goiano inova no combate ao Aedes

A atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde deixará um legado para Goiás e para o País: o Sistema Integrado de Monitoramento Aedes Zero (SIMAZ), implantado em setembro de 2016 com o objetivo de subsidiar e monitorar os focos do Aedes aegypti e as ações de combate ao mosquito em todo o Estado.

O novo sistema foi desenvolvido pela Gerência de Tecnologia da Informação (GTI) e pela coordenação de TI do Centro de Informações e Decisões Estratégicas em Saúde – Conecta SUS Zilda Arns Neumann, sob a orientação técnica Superintendência de Vigilância em Saúde e em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar e tem como fundamento o georreferenciamento.

O georreferenciamento e o uso de um novo sistema possibilita o monitoramento dos seguintes indicadores: número de imóveis visitados, número de imóveis trabalhados, número de imóveis fechados, número de imóveis com foco, número de imóveis com visitas recusadas, número de imóveis com visitas recuperadas, além das porcentagens de imóveis trabalhados, fechados, com foco e visitas recusadas, além do acompanhamento das notificações georreferenciadas e a realização de bloqueios de transmissão.

“O modelo é pioneiro, e contribui para aprimorar a gestão, com tomada de decisão mais assertivas”, destaca o coordenador geral de Ações Estratégicas em Dengue do Estado, Murilo do Carmo.  Ele argumenta que com o sistema foi possível desenhar com mais precisão o cenário de dengue no Estado e o nível de infestação do mosquito transmissor da doença.

Marcello Rosa, da Coordenação-Geral de Combate ao Aedes, informa que o sistema será adotado pelo Ministério da Saúde. Segundo ele, os técnicos da SES-GO estão fornecendo subsídios para implantação do modelo em todos os estados brasileiros.

O sistema foi premiado nacionalmente no evento HDI Expogov, que aconteceu esse mês em Brasília. O HDI é um instituto encarregado de disseminar no mercado as melhores práticas de gestão de tecnologia de informação e suporte a clientes produzidas por gestores das principais empresas global. Cliquei AQUI e confira a mais informações sobre a premiação.

Entenda como funciona o sistema de Monitoramento do Aedes

O Sistema Integrado de Monitoramento do Aedes Zero (SIMAZ) foi baseado em software open source (código aberto), ou seja, sem custos de aquisição. Isso significa economia, já que outros sistemas com a mesma finalidade tem um elevado custo de aquisição e manutenção. Outro ponto positivo é a possibilidade de desenvolvimento e ampliação de funcionalidades, relatórios personalizados, auditoria e acesso direto à base de dados, controle de acesso e segurança da informação.

O SIMAZ possibilita uma visão macro dos municípios, fornecendo informações como, por exemplo, regiões com maior nível de infestação. Com um simples clique, também é possível ter acesso aos dados por quadra.

A gerente de Tecnologia da Informação da SES-GO, Luiselena Luna, destaca os pontos positivos do sistema. “Hoje nós temos acesso no SIMAZ dos casos de dengue, os dados entomológicos, o georreferenciamento dos pontos estratégicos, como uma borracharia, um ferro velho, que são propícios a ter focos de dengue. O cidadão e os gestores abrem o mapa e já visualizam se aquela região já foi ou não visitada. Se existe ou não focos do mosquito”, afirma.

<-Voltar