ADEUS, MESTRE!

Era uma quinta-feira, 16 de junho de 2011, quando a nossa equipe foi pontualmente recebida pelo fundador e primeiro presidente do CONASS, o médico e ex-ministro da Saúde, Adib Jatene.

Em seu gabinete, localizado no 1º andar do Hospital do Coração em São Paulo, realizamos aquela que seria a entrevista principal da 1ª edição da revista Consensus.

E o seu nome havia sido escolhido pelo que representou para o CONASS. Para aquela primeira edição, precisávamos de alguém especial. Alguém cuja trajetória de vida fosse exemplo para outros brasileiros. Alguém que, por meio de suas convicções, sempre pensara no bem estar coletivo. Alguém que escolhera a medicina e lutava para salvar vidas. Alguém que respirava o SUS desde a sua criação.

Foram longas horas de uma conversa descontraída. Dr. Adib Jatene era assim: sabia transformar assuntos sérios em conversas prazerosas. Talvez porque lhe era inerente o dom de ensinar. E quem não acha prazeroso aprender?

Também foi vários em um só: médico, professor, secretário de Saúde, ministro. Usou a sua versatilidade e inteligência para atuar nas mais diversas esferas de atuação e assim contribuir sabiamente para a saúde pública brasileira.

Na medicina escolheu a cardiologia e inovou: foi o primeiro médico brasileiro a realizar a cirurgia de ponte de safena no país e desenvolveu o primeiro coração-pulmão artificial do mundo, no Hospital das Clínicas, em 1958. Adib Jatene também criou uma técnica para corrigir artérias de bebês – a cirurgia de Jatene.

Mais do que se destacar na medicina, o professor Adib Jatene também contribui enormemente com a saúde pública no Brasil: foi um pensador e defensor da maior política pública do país – o Sistema Único de Saúde (SUS).

Ao longo de sua trajetória, evidenciou a importância do movimento da reforma sanitária na busca de políticas públicas voltadas para a saúde e na atuação da universidade na formação de profissionais com perfil para a saúde coletiva.

Defendia que, no Brasil, para pôr em prática as decisões da Conferência de Alma-Ata, as Secretarias Estaduais de Saúde tinham de ampliar as suas funções – do atendimento básico (imunizações, combate às endemias, controle da qualidade de alimentos e o atendimento das emergências) para um sistema de atendimento que devia cobrir toda população.

Nas palavras do presidente do CONASS, Wilson Duarte Alecrim, Adib Jatene foi exemplo de que uma pessoa pode estar em várias partes do país e do mundo quando trabalha pelo bem da sociedade como um todo.

“Dr. Adib Jatene, nasceu em Xapurí, no Acre, mas conseguiu ultrapassar todas as fronteiras com as suas realizações e valiosas contribuições para a medicina e para a saúde pública brasileira”, afirmou.

Para o presidente do CONASS, o professor Jatene conseguiu fazer com maestria uma coisa que poucos profissionais conseguem: combinar ao mesmo tempo a atividades de professor do curso de medicina, de médico na assistência aos pacientes e de gestor.

“Ele foi um exemplo de profissional nas mais variadas atividades que exerceu e foi um pertinaz lutador para que o SUS se consolidasse, criando inclusive, a extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, porque, enquanto secretário de saúde de São Paulo e posteriormente como ministro da Saúde, sentiu na gestão a dificuldade que existia para superar esse problema do subfinanciamento. Todas as homenagens a esse grande cidadão brasileiro são mais que merecidas e justas”, concluiu.

Em 2007 o professor Adib Jatene, no projeto de comemoração dos 25 anos do CONASS, concedeu uma entrevista exclusiva à Prof.ª Drª. Zeloi Martins Santos. Nela, Jatene falou sobre a trajetória do CONASS.  Ouça a entrevista completa.

 

Matérias Relacionadas

Voltar ao Topo