Curso sobre o Manejo de Condições Crônicas reúne profissionais de todo o país em Maceió

Cerca de 70 profissionais das áreas de atenção e vigilância em saúde das secretarias estaduais de saúde e técnicos do Ministério da Saúde e da Organização Pan-americana em Saúde (Opas) participaram, entre os dias 29 de julho e 2 de agosto, em Maceió, do Curso em Manejo das Condições Crônicas, organizado pelo CONASS, pela Opas Brasil e pelo Ministério da Saúde, com o apoio da Secretaria Estadual de Saúde de Alagoas.

O curso, explicou a assessora técnica e gerente do Núcleo de Atenção Primária à Saúde (APS) do CONASS, Maria José Evangelista, faz parte das atividades da Câmara Técnica de APS do Conselho e tem o objetivo de fortalecer os estados para reorientação do sistema de saúde na atenção às condições crônicas. “Normalmente, dentro da câmara técnica, nós discutimos as portarias e as políticas de modo geral no SUS, no entanto, percebemos a necessidade de capacitar melhor as coordenações estaduais para termos uma análise reflexiva da situação, pois são os estados quem têm que discutir e perceber o que é mais prioridade dentro da sua gestão”, disse.

Na ocasião, o secretário de Estado da Saúde de Alagoas, Jorge Villas Boas, ressaltou que as doenças crônicas são um desafio para o sistema de saúde brasileiro e considerou fundamental que a Atenção Primária à Saúde seja tratada como prioridade, pois é nela que se resolvem a maior parte dos problemas de saúde do país. “O sistema de saúde brasileiro se organiza para atender às demandas de doenças agudas, quando na verdade a maior parte da população precisa de serviços voltados para as condições crônicas”, afirmou.

Para Alberto Barcelló, consultor da Opas em Washington e coordenador do curso, a população de pessoas portadoras de doenças crônicas cresceu e tem crescido muito, o que exige estratégias de enfrentamento diferentes daquelas elaboradas para as condições agudas. “A expectativa com a implantação do curso no Brasil é de que os profissionais desenvolvam projetos para a melhoria da qualidade da atenção aos portadores de doenças crônicas nos seus estados e também a capacitação de outros profissionais”, ressaltou.

Patrícia Chueiri, coordenadora-geral do departamento de Atenção às Pessoas com Doenças Crônicas da Secretaria de Atenção à Saúde/MS, disse que curso é essencial para o Ministério da Saúde apresentar o que tem feito em relação a essas doenças e também para apoiar os estados e saber das suas realidades. A facilitadora do curso, Simone Tetu Moisés, pesquisadora da Coordenação de Informação, Avaliação e Incentivo à Qualidade do Departamento de Atenção Primária à Saúde da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Curitiba, apresentou durante o curso a experiência do Laboratório de Inovações na Atenção às Condições Crônicas do município. “Um curso como esse cria a oportunidade de refletirmos sobre como as experiências em lugares e contextos específicos podem servir de referência para outras práticas, considerando não apenas o sucesso que possa ter sido alcançado, mas também as dificuldades na complexidade do processo”, enfatizou.

Com carga horária de 40 horas, o curso foi dividido em seis módulos que contemplaram desde o Modelo de Cuidados Crônicos e o Panorama das Américas, até a análise da situação de saúde do Brasil e os desafios da assistência e vigilância das doenças crônicas. Os alunos também conheceram algumas experiências exitosas no manejo das crônicas, como a experiência de Santo Antônio do Monte com o Laboratório de Inovações em Condições Crônicas.

A enfermeira Maria Cristina Tanaka vivenciou a experiência do Laboratório de Inovações em Condições Crônicas em Curitiba. Hoje, aluna do curso, ressalta que o conteúdo das aulas e a apresentação de diversas experiências mostraram que é possível realizar mudanças significativas no manejo dessas doenças nos estados. “O curso foi muito bom e mostrou que realmente é possível aplicar com êxito essas práticas junto à comunidade. No entanto é preciso haver também o empenho do gestor e o comprometimento de nós, alunos, em replicarmos nos estados tudo o que foi aprendido aqui”.

O curso foi realizado com o objetivo de fortalecer os estados para a reorientação do sistema de saúde na atenção às condições crônicas de saúde, fortalecer as redes estaduais de atenção à saúde, com base na APS e promover a integração da atenção à saúde com a vigilância à saúde no cuidado continuado das condições crônicas.

Voltar ao Topo