Estratégias para controle da malária na Amazônia

A cada seis meses a Secretaria de Vigilância em Saúde realiza a Reunião dos Apoiadores Municipais da Malária, com o objetivo de acompanhar as ações desenvolvidas pelos profissionais na região amazônica no controle da doença. O 13º encontro ocorreu nos dias 12 e 14 de setembro, em Brasília, no intuito de acompanhar as ações desenvolvidas pelos profissionais da Amazônia no controle do agravo, considerando que a região apresentou aumento de 29% do número de casos de janeiro a junho de 2018, comparado com o mesmo período de 2017. Nos três dias foram trocadas experiências e visões estratégicas no combate da malária a fim de subsidiar a elaboração de um plano de ação conjunta até 2022.

O vice-presidente do Conass na Região Norte, secretário de Estado da Saúde do Pará, Vitor Manuel Jesus, ressaltou que é necessário enfrentar a malária considerando as diversidades da região, com estratégias adequadas nos diferentes locais em que ela está presente. “Um fator importante a considerar é a necessidade de termos entomologistas capacitados e disponíveis e regularidade na entrega dos fármacos para o tratamento da malária”. O secretário destacou três razões para o aumento da malária: o fluxo imigratório, o garimpo clandestino e o desmatamento. “Onde há mosquito e animais infectados, provavelmente haverá a transmissão vertical de casos de malária, de dengue e de outros vetores”, alertou.

Osnei Okumoto, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, classificou o encontro como “imprescindível para o combate ao agravo”. E ressaltou que a secretaria acompanha de perto as ações e estratégias voltadas ao controle e redução de casos, considerando as especificidades locais, populações vulneráveis e vivendo em áreas de difícil acesso, indígenas, garimpos e de fronteira, com objetivo de garantir um diagnóstico precoce, fornecer tratamento imediato e adequado e intervir com ações de manejo integrado de vetores. “Fico feliz em anunciar que no final do mês vamos receber 300 mil mosquiteiros impregnados para distribuição aos municípios onde há maior número de casos de malária”, anunciou o secretário.

Também participaram da abertura do evento contou com a presença do coordenador do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (DEVIT/SVS/MS) André Abreu; da representante do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Kandice Falcão; e da representante da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS) Sheila Rodovalho.

Projeto Apoiadores Municipais

Os Apoiadores Municipais são equipes formadas por profissionais multidisciplinares como pesquisadores, profissionais de saúde e especialistas em malária que auxiliam a gestão local orientando sobre as ações de controle da malária e qualidade do diagnóstico, promovendo a dispensação correta e a adesão ao tratamento, direcionando as atividades de controle seletivo de vetores, engajando a comunidade nas ações e melhorando as metas e indicadores pactuados entre as esferas do Sistema Único de Saúde (SUS).

Voltar ao Topo