Secretários Estaduais de Saúde se apresentam na 1ª Assembleia do Conass

Ao todo, 20 novos gestores assumiram a pasta em 2019

No dia 13 de fevereiro de 2019, o Conass recebeu em sua primeira Assembleia os secretários estaduais de saúde que estarão à frente da gestão 2019-2022.

O presidente do Conass, Leonardo Vilela, deu as boas vindas, apresentou o Conass e destacou a grande renovação ocorrida no quadro de gestores. “Temos uma quantidade expressiva de novos secretários e esse é um momento importante para que vocês conheçam o Conass tendo em vista esse complicado momento de transição política e econômica, com déficit fiscal de estados e da União. Temos discutido muito isso na assessoria técnica do Conselho e, na nossa avaliação, as condições em que vocês assumem as Secretarias Estaduais de Saúde (SES), são mais difíceis do que há 4 anos”, ressaltou.

Ao conversar com os secretários, Vilela destacou o anseio do Conass em contribuir para que as gestões estaduais ocorram da melhor maneira possível e observou que a cada ano que se passa o Conselho tem aumentado a sua credibilidade e influência nas políticas de saúde, sendo indiscutível o excelente conceito que tem junto a diversos órgãos e demais instituições de saúde pública no Brasil. Fato que se justifica, principalmente, pela qualidade do seu colegiado e de sua equipe técnica que formula propostas consistentes, participa dos debates de forma proativa e dá contribuições efetivas para o desenvolvimento da saúde no país.

Para Vilela é importante reforçar o peso político de cada um dos secretários dentro de seus estados e em nível nacional. “Sem dúvida a secretaria de estado da saúde é uma das mais importantes em qualquer governo e além do conhecimento e da experiência, o peso político do secretário é muito importante e precisa ser utilizado para influenciar na construção das políticas públicas de saúde do Brasil. Um Conass coeso e bem articulado é fundamental”. 

Logo após a fala do presidente do Conass, os secretários se apresentaram e falaram sobre a situação da saúde em seus estados e as prioridades de suas gestões. Confira a seguir.

Voltar ao Topo