Ceará tem um dos dois municípios brasileiros que alcançaram o maior número de metas nacionais em vigilância em saúde

Arte gráfica: Fabio dos Santos

O município de Jaguaretama, distante cerca de 250 km de Fortaleza, foi um dos dois municípios brasileiros a alcançar 13 das 14 metas em vigilância em saúde estipuladas pelo Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS), do Ministério da Saúde, em 2020. A cidade cearense ficou em 1º lugar no ranking nacional, ao lado de Maringá, no Paraná. Um dos indicadores avaliados pela iniciativa é a proporção de casos de malária que iniciaram tratamento em tempo oportuno, o qual não se aplica no Estado, visto que não há registro endêmico da doença.

Farias Brito, também no Ceará, figurou em posição de destaque, cumprindo 12 metas. Ao todo, 5.561 dos 5.570 municípios do País aderiram ao Programa, que representa, desde 2016, um marco para a vigilância em saúde por definir diretrizes para as três esferas de governo.

“Nós parabenizamos o município de Jaguaretama, o primeiro do País no alcance de metas no PQA-VS. Sabemos da importância dessas ações para promover saúde e prevenir e controlar doenças que são endêmicas, que estão no nosso dia a dia. Agradecemos também à Superintendência da Região de Saúde de Jaguaribe/Litoral Leste”, pontua a secretária executiva de Vigilância em Saúde da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), Ricristhi Gonçalves.

A gestora comemora, ainda, a colocação do município de Farias Brito e a atuação da Superintendência da Região de Saúde do Cariri pelo trabalho desenvolvido na área. “Hoje é um dia muito importante para a Vigilância em Saúde do Estado. Estamos muito felizes”, celebra.

A secretária municipal de Saúde de Jaguaretama, Airlene Dantas, atribui a conquista ao trabalho em equipe da pasta. “Uma equipe preparada e que vem trabalhando com esses indicadores, realizando capacitação e treinando os profissionais em busca de melhores resultados”, destaca. “E esses resultados, lembrando, são referentes a 2020, quando nós estávamos vivendo o pico da pandemia de Covid-19. Tudo era muito novo, com muitas dificuldades. Mesmo assim, conseguimos trabalhar os indicadores compactuados”, avalia.

Entre as metas estabelecidas pelo Programa, estão:

– 90% de registros de óbitos alimentados no Sistema de Informação sobre Mortalidade até 60 dias após o fim do mês da ocorrência;

– 90% de registros de nascidos vivos alimentados no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) até 60 dias após o fim do mês da ocorrência;

– 80% de salas de vacina com alimentação mensal das doses de vacinas aplicadas e da movimentação mensal de imunobiológicos, no sistema oficial de informação no Programa Nacional de Imunizações de dados individualizados, por residência;

– 100% das vacinas selecionadas com cobertura vacinal de 95% em crianças menores de 1 ano de idade: pentavalente (3ª dose), pneumocócica 10-valente (2ª dose), poliomielite (3ª dose); e para crianças de 1 ano de idade: tríplice viral (1ª dose).

Confira todas as metas

Campanha de Multivacinação

Até o dia 29 de outubro, o Ceará segue com a Campanha Nacional de Multivacinação para intensificar a cobertura vacinal em crianças e adolescentes menores de 15 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias). A mobilização busca diminuir a incidência e contribuir para o controle e a erradicação de doenças imunopreveníveis neste público.

As coberturas vacinais no Estado de todos os imunizantes do calendário nacional não atingiram a meta preconizada pelo Ministério da Saúde de 90% (BCG e Rotavírus) e 95% (demais vacinas). Os imunizantes inseridos no calendário do órgão federal estão disponíveis nos postos de saúde dos 184 municípios cearenses.

Assessoria de Comunicação da Sesa
Arte gráfica: Fabio dos Santos

<-Voltar