Saúde Global é tema de intercâmbio promovido pelos Estados Unidos com participação de 19 países

O assessor técnico do Conass na área de Vigilância em Saúde Ambiental e doenças transmitidas por vetores, Fernando Campos Avendanho, participou do International Vistor Leadership Program (IVLP) – programa de intercâmbio oferecido pelos Estados Unidos, no período de 24 de março a 12 de abril, no qual participaram 22 representantes de 19 países. O programa trata de temáticas diversas, entre elas, a da saúde. Anualmente, cerca de cinco mil pessoas visitam os EUA por meio deste programa, cujo objetivo é promover a troca de experiências entre profissionais de áreas e países diversos com os profissionais americanos. É oferecido pelo Departamento de Estado Americano e as embaixadas americanas são responsáveis pela indicação das pessoas e de todos os procedimentos para o deslocamento dos participantes para os Estados Unidos.

O tema específico da participação do consultor foi a Saúde Global (Global Health Security) que tem como objetivo fortalecer os sistemas de saúde pública dos países e conter os surtos de doenças nas suas fontes, antes que elas se espalhem em epidemias regionais ou pandemias como, por exemplo, Ebola, AIDS, Dengue, Zika e Chikungunha além de estratégias para doenças imunopreviníveis como o sarampo e a pólio.

Também foi abordada nesse programa a estratégia de Saúde Única (One health), que reconhece que a saúde humana está conectada com a saúde animal e do meio ambiente. Já no início do século XIX essa interação era reconhecida e teve mais ênfase a partir do início do século XXI. Essa abordagem tem sido bastante difundida pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), Organização Mundial da Saúde (OMS) e Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) entre outras instituições.

Avendanho foi indicado pelo Centers for Disease Control and Prevention – Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) escritório do Brasil e participou das duas temáticas mencionadas. No total, 22 participantes do Paraguai, Quênia, Uzbequistão, Nepal, Serra Leoa, e outros países participaram do intercâmbio. Teve oportunidade de participar de várias apresentações em diversas instituições federais, estaduais e de municípios como agência climática, departamento de agricultura, universidade de saúde pública, universidade de veterinária, serviços de controle de vetores entre outros onde foram mostradas as experiências e as suas participações nas abordagens propostas.

Para ele, a experiência contribuiu para enfatizar a importância da vigilância e prevenção de doenças e principalmente o quanto essas doenças podem ser disseminadas rapidamente entre os países causando grandes prejuízos pela perda de vidas. Contribuiu também para evidenciar o quanto a interação do homem com o ambiente e as alterações climáticas influenciam na dinâmica das doenças infecciosas e proporcionam o surgimento ou a reemergência de doenças.

<-Voltar