Serviço de gastroenterologia da Policlínica Metropolitana é referência no Pará

A população paraense que busca atendimento de avaliação especializada de doenças gastrointestinais, tem como suporte no Estado as consultas e exames oferecidos na Policlínica Metropolitana do Pará, em Belém. A unidade de saúde, além de oferecer especialistas na área, também conta com um parque tecnológico para exames, se tornando, em 4 anos de inauguração, referência como central diagnóstica na Rede Pública de Saúde do Pará.

A gastroenterologista da unidade, Zilvana Macedo, explica que para pessoas a partir dos 14 anos de idade, elas podem ser atendidas na unidade. E, as principais queixas estão relacionadas principalmente a dispepsia (azia, dor no estômago, náuseas), dor abdominal, alterações do hábito intestinal, como diarréias ou constipação intestinal, sangramento retal. Casos menos frequentes são queixas específicas de doença ulcerosa gastroduodenal, doença inflamatória intestinal.

“A Policlínica nos proporciona uma retaguarda completa para investigação laboratorial e exames de imagem, como endoscopia digestiva alta com biópsias, colonoscopia, ultrassonografias, tomografias e ressonância magnética. Nossa média de atendimentos fica entre 500 a 650 pacientes ao mês”, pontuou a especialista.

Infraestrutura – Inaugurada pelo Governo do Estado em 13 de janeiro de 2020, a Poli Metropolitana conta com 52 consultórios e dez salas de recepção, que têm capacidade para 350 pessoas em espera de atendimento, simultaneamente. Com mais de 2.500 metros quadrados de área construída e três pavimentos, a unidade ambulatorial oferece mais de 20 especialidades clínicas e cirúrgicas, além de exames e diversos procedimentos ambulatoriais. É possível buscar assistência de segunda a sexta-feira, das 6h30 às 19h.

“Nosso objetivo é dar aos usuários o melhor atendimento possível. Temos os médicos especialistas e exames de imagem que auxiliam no diagnóstico e na condução de um tratamento assertivo e seguro para os nossos pacientes”, destacou o diretor-executivo da instituição, Anderson Albuquerque.

Atuação – A unidade coringa, ao longo de sua trajetória, implantou dois Programas oficiais da Secretaria de Estado da Saúde (Sespa):  O Pré-Operatório Rápido, com intuito de  agilizar o tempo para realização dos exames pré-cirúrgicos e o Programa Triagem Pós-Covid, com  objetivo de investigar as queixas clínicas de quem teve a covid-19. Além disso, no ano de 2022, o local passou a fazer os atendimentos ambulatoriais do Programa Casulo, voltado aos pacientes transexuais.

Serviço: A Poli Metropolitana é administrada pelo Instituto Social e Ambiental da Amazônia (ISSAA), em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa). A unidade não funciona no regime porta-aberta (livre demanda). O usuário deve passar por uma unidade de saúde municipal e ser regulado pelo Estado para os procedimentos.

Os exames e consultas são agendados também por meio eletrônico, no WhatsApp (91) 98521.5110 ou pelo e-mail agendamento.polimetropolitana@issaa.org.br. É necessário ter em mãos os documentos de identificação, o cartão do SUS (Sistema Único de Saúde) e o comprovante de residência.

Texto: Ascom/Polimetropolitana