“Vigilância Sanitária é nuclear para a Saúde Coletiva”: encerramento do 9º Simbravisa

Foto: Abrasco

1265 pessoas estiveram presentes no 9º Simpósio Brasileiro de Vigilância Sanitária, em João Pessoa, entre os dias 20 e 24 de novembro. Foram 1183 trabalhos inscritos para as comunicações coordenadas e discussões temáticas, e mais de 40 conferências, grandes encontros, mesas redondas e painéis. “A gente precisava falar sobre a experiência da pandemia de Covid-19 para a Vigilância Sanitária. Precisamos ressignificar a vigilância, repensar nossas ações e olhar pra frente”, disse Jória Guerreiro, presidente do 9° Simbravisa, na solenidade de encerramento.

“Fico muito feliz de estar aqui, este Simbravisa teve suas inovações, foi muito rico, com engajamento. A Visa é nuclear para a Saúde Coletiva e o SUS, a gente não pode abrir mão. É uma atividade de Estado, não uma função de governo. A Abrasco acerta quando cria conexões com as pessoas que constroem isso”, saudou Rosana Onocko, presidente da Abrasco.

Ana Maria Caldeira, representante da comissão científica, disse que o evento transmitiu a expressividade do GT Vigilância Sanitária da Abrasco, e que a temática –  “Vigilância Sanitária: direito à Saúde e fortalecimento do SUS” mostrou-se uma escolha acertada: “A gente vive um momento de reorganização do SUS, a Visa precisa estar presente. Fica a certeza que temos um papel importante no SUS,  temos um compromisso com a população brasileira. Não podemos nos esconder nos espaços do serviço, precisamos ser propositivos”

Patrícia Assunção, representando a AGEVISA, falou que o momento foi um “divisor de águas”, depois da pandemia e dos ataques ao SUS: “Fundamental para nos reconectar com a ideia de construir políticas públicas inclusivas, que fortaleçam nosso sistema único de saúde. Tivemos o protagonismo da Tenda Paulo Freire, também conectada com toda a programação do nosso Simbravisa”.

A solenidade de encerramento foi transmitida ao vivo, assista na TV Abrasco.

Simbravisa pelo olhar de simposiastas

Elisangela Santana, secretária adjunta de Saúde da prefeitura de Ipatinga (MG), disse que as trocas ajudaram a refletir sobre os protocolos de saúde pós pandemia, e sobre a necessidade de uma atuação em rede da Vigilância Sanitária – “não pode atuar isolada, precisa de trabalho conjunto”.

Já Manoel Silva Neto, da Vigilância Sanitária de Brasília (DF), pontuou que o evento é “acima de tudo, necessário”. Elogiou a proposta científica, os palestrantes e o envolvimento dos participantes, que ele descreveu como “pessoas apaixonadas” pela Visa. “Uma sugestão para os próximos congressos é que tenha presença mais marcante de outros segmentos da Visa, para além dos trabalhadores, como o setor regulado e  a sociedade organizada”, pontuou.

10º Simbravisa

Como é tradicional do Simbravisa, ao final do evento representantes de cidades interessadas em sediar a próxima edição apresentaram suas propostas. Para 2026,  candidataram-se Brasília (DF), Foz do Iguaçu (PR) e Campo Grande (MS). O GT Visa da Abrasco avaliará as propostas nos próximos meses.

Moções aprovadas 

A plenária final aprovou as seguintes moções:

Fonte: Abrasco