CONASS participa da 14ª Expoepi – nova Política Nacional de Promoção da Saúde é lançada no encontro

O presidente do CONASS em exercício, Michele Caputo Neto, participou ontem (28), da abertura da 14ª Expoepi – Mostra Nacional de Experiências Bem Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças, que acontece até o próximo dia 31, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. Na ocasião, Caputo Neto que é secretário de Estado da Saúde do Paraná, destacou que ao longo dos anos, as áreas de Vigilância Sanitária e Epidemiológica construíram muitas fortalezas no combate e prevenção à diversas doenças, mas ressaltou que ainda há muito a ser feito. “O sucesso que conseguimos em relação a doenças como a malária, com o Programa Nacional de Imunizações (PNI), por exemplo, nós não conseguimos com a dengue, por isso precisamos continuar avançando com esse trabalho”.

De acordo com o secretário, é preciso avançar em relação ao financiamento do SUS. “Apesar dos municípios já investirem em saúde, até mesmo mais do que é previsto pela Constituição Federal, ainda assim, nem sempre os investimentos contemplam essa área estratégica para o sistema que é a vigilância em saúde”, disse.

Michele Caputo citou ainda o caso suspeito de ebola no Paraná. Segundo ele as medidas tomadas no enfrentamento do caso provaram não só ao Brasil, mas também ao mundo, que as vigilâncias epidemiológica e sanitária do país, são áreas de excelência no SUS.

Por fim, o secretário de Estado da Saúde do Paraná parabenizou os trabalhadores da vigilância em saúde e destacou que a Expoepi é uma oportunidade única que os trabalhadores têm de intercambiar as experiências bem sucedidadas e trocar conhecimentos em um país tão grande e com tantas diversidades como o Brasil.


Ministério lança Política Nacional de Promoção da Saúde

Fonte: Fabiane Schmidt/ Agência Saúde

Foto: Rondon Vellozo/MS

Na abertura da Mostra o ministro Arthur Chioro lançou a nova Política Nacional de Promoção da Saúde, que visa deter o desenvolvimento das doenças crônicas no Brasil, com planejamento de ações voltadas para prevenção dos fatores de risco (tabagismo, sedentarismo e má alimentação) e investimentos na qualificação da atenção e da assistência aos pacientes.  “Essa política reforça o empenho do Ministério da Saúde em assegurar o acesso da população, sobretudo às mais vulneráveis, à educação em saúde, à melhoria da qualidade de vida e ao envelhecimento saudável”, destaca Chioro.

O enfrentamento às DCNTs é um dos principais desafios de saúde pública no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde, elas respondem por cerca de 35 milhões de mortes ao ano. No Brasil, do total de óbitos registrados em 2011 (cerca de um milhão de mortes), elas foram responsáveis por cerca de 74 mil (72%). Apesar do grande percentual, o Brasil superou a meta estabelecida para a redução da mortalidade prematura por doenças crônicas, que era de 2% ao ano. Entre 2010 e 2011, o índice de queda da mortalidade prematura (30 a 70 anos) por DCNTs foi de 3,8%. A expectativa é chegar a 25% em 2022

AVANÇOS – A redução gradativa de 2% da mortalidade prematura é o objetivo principal do Plano de Ações de Enfrentamento às Doenças Crônicas Não Transmissíveis 2011-2022, que define estratégias intersetoriais e recursos para o enfrentamento dessas enfermidades no país. Os grupos de doenças considerados pela Organização das Nações Unidas como prioritárias são as do aparelho circulatório (isquemias, infarto e AVC), as respiratórias crônicas (asma, rinite alérgica e doença pulmonar obstrutiva crônica), os cânceres e o diabetes.

De acordo com a diretora de Vigilância e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Deborah Malta, o contexto nacional e internacional apontou novos desafios e compromissos que motivaram o aprimoramento e a atualização da Política Nacional de Promoção da Saúde. “A nova política dialoga com os acordos internacionais firmados pelo governo brasileiro e está articulação com as demais políticas. Ela incorpora o saber popular e tradicional às práticas em saúde e valoriza a formação e a educação permanente, que compreende mobilizar, sensibilizar e promover capacitações para gestores, trabalhadores da saúde e de outros setores”, afirma.

Entre as ações do Ministério da Saúde para incentivar a prática de hábitos saudável na população, está o Programa Academia da Saúde, iniciativa que prevê a implantação de polos com infraestrutura, equipamentos e profissionais qualificados para a orientação de saúde e atividades físicas. Atualmente, há mais de 3.725 mil polos habilitados para a construção em todo o país (destes, 491 já estão prontos). O Ministério também ampliou o tratamento de tabagismo no SUS e, no último 31 de maio, regulamentou a lei que cria ambientes livre do tabaco.

A Atenção Básica também proporciona diferentes tipos de tratamento e acompanhamento ao usuário, incluindo o atendimento psicológico. Atualmente, existem 3.695 Núcleos de Atenção à Saúde da Família, com 3.247 nutricionistas, 5.062 fisioterapeutas e 3.691 psicólogos, além de educadores físicos e sanitaristas. A evolução do tratamento deve ser acompanhada por uma das 40,5 mil Unidades Básicas de Saúde, presentes em todos os municípios brasileiros. Nos casos de obesidade mórbida, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece ainda, como último recurso para perda de peso, a cirurgia bariátrica. Para pacientes hipertensos, diabéticos e asmáticos, são disponibilizados medicamentos por meio do Programa Farmácia Popular. Além dos itens gratuitos, os mais de 100 produtos podem ter até 90% de desconto na compra. Desde 2011, só com a distribuição gratuita de medicamentos, mais de 20 milhões de pessoas já foram beneficiadas.

 

<-Voltar