Prefeitos de todo país são apresentados às políticas públicas de saúde

Segundo o ministro Alexandre Padilha, qualificar a gestão da saúde nos municípios brasileiros é meta do Ministério da Saúde

Atenção Básica, Unidades Pronto Atendimento, Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica e o Programa de Valorização da Atenção Básica, foram destaques na apresentação das políticas de saúde do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, durante o Encontro Nacional de Prefeitos e Prefeitas, realizada hoje (29), em Brasília.

O ministro ressaltou que o Ministério da Saúde vai investir R$ 1,6 bilhão para Unidades Básicas de Saúde (UBS), para construção, reforma e ampliação das Unidades, com foco nos bairros com maior concentração de pobreza. “Somos a maior rede de Atenção Básica de saúde pública do mundo, ao todo são 39 mil UBS no Brasil. Serão mais de 5.629 mil novas unidades em todo o país, o que permitirá um melhor atendimento para a população”, comentou.

Além disso, o ministério também irá disponibilizar recursos para a construção de mais Unidades Pronto Atendimento (UPA 24h) e ações como o Brasil Sorridente e Olhar Brasil, que integram o Programa Saúde na Escola. “Estamos abrindo a seleção de mais 225 UPAs 24h. Hoje nós temos 267 unidades funcionando em todo país e elas já atendem os 2,8 milhões de brasileiros que todo mês entram numa UPA 24h.”, falou.

Padilha também incentivou os municípios que possuem equipes de Atenção Básica a aderirem ao Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB). O programa busca induzir a ampliação do acesso, com garantia de um padrão de qualidade comparável nacional, regional e localmente e permite transparência e efetividade das ações governamentais direcionadas à Atenção Básica em Saúde em todo o Brasil. “As equipes de Saúde da Família inscritas pelos municípios no PMAQ, que obtiverem sucesso na avaliação pelo programa, podem receber até o dobro de recursos”, comentou.

Segundo Padilha, o ministério acompanhará o trabalho de cada equipe em um sistema informatizado. “Serão feitas visitas em parcerias com as universidades e pesquisas sobre a opinião dos usuários – o que o usuário está achando do atendimento prestado por aquela equipe, se é de qualidade ou não. Se esta equipe tiver um bom desempenho nós podemos dobrar o recurso”, explicou Padilha.

Ao final, Padilha incentivou os médicos se inscreverem no Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab).“Este ano o Ministério da Saúde paga a bolsa para os médicos. E se eles ficarem um ano atendendo na Atenção Básica, nas periferias das grandes cidades ou nas cidades do interior”, ressaltou Padilha.

Luiza Tiné com informações do Ministério da Saúde.

<-Voltar