Funed participa de estudo sobre primeiro caso de reinfecção por covid-19 em MG

A Fundação Ezequiel Dias (Funed) participou de estudo que relata o primeiro caso de reinfecção do SARS-CoV-2, em Minas Gerais, separado por um intervalo de 225 dias. O estudo foi publicado pelo Journal of Infection, periódico oficial da British Infection Association, com acesso aberto e voltado a assuntos relacionados a melhorias de serviço e análises clínicas que envolvem diversas infecções.

De acordo com o chefe do Serviço de Virologia e Riquetsioses do Laboratório Central de Minas Gerais – Lacen/Funed, Felipe Iani, esse artigo demonstrou, pela primeira vez, um caso de reinfecção em Minas, corroborando com outros trabalhos no mesmo sentido. “Normalmente, a maioria dos vírus causa infecção apenas uma vez, por isso as epidemias se arrefecem, são autolimitadas. Porém, se a taxa de reinfecção for elevada, corremos o risco de sofrer uma epidemia por períodos muito mais longos”, afirma.

O caso envolveu a infecção de um médico de 29 anos, que não apresentava comorbidades e que reside no município de Sabará. Todo o processo de sequenciamento das duas amostras foi realizado no Lacen/Funed. “Isso demonstra, mais uma vez, que a Funed, ao dedicar recursos, apresenta-se como instituição fundamental no auxílio ao enfrentamento de situações em saúde pública”, afirma Felipe Iani.

O especialista explica que os dois episódios de covid-19 foram causados por agentes SARS-CoV-2 geneticamente distintos. A primeira identificada como B.1.1.28 e, a segunda como B.1.2. Felipe esclarece que nenhuma delas é classificada como VOC (variante de preocupação) nem como VOI (variante de interesse) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Nos estudos, foi possível perceber que as infecções por B.1.2 carregam uma substituição, afetando a posição de aminoácidos 677 da proteína Spike. “Todos os estudos nesse sentido são bastante preliminares, porém, essa é uma região que esta intimamente ligada à infecção, ou seja, uma mutação nessa região pode facilitar a infecção pelo vírus, aumentando a transmissibilidade ou até mesmo favorecendo o escape do vírus ao sistema imunológico, podendo impactar negativamente a eficiência/eficácia das vacinas disponíveis”, alerta Felipe.

Na Funed, além de Felipe Iani, os pesquisadores Glauco Carvalho e Talita Adelino também contribuíram para o estudo. O artigo teve participação de outros 19 estudiosos, entre representantes da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – SES/MG, do Ministério da Saúde, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e de outras universidades do Brasil. O artigo completo pode ser acessado por este link.

Até o dia 27 de maio, foram sequenciadas pelo Lacen/Funed, por meio de diferentes projetos, 847 amostras relacionadas ao Sars-Cov-2. Desse quantitativo, 260 são de Minas Gerais e 587 de outros estados (Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Bahia) e também do Paraguai.

Lacen/MG

Na estrutura organizacional do Sistema Único de Saúde (SUS), a Funed se insere no âmbito da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, vinculada à SES/MG. O Lacen/Funed tem o objetivo de prevenir e controlar riscos à saúde pública por meio de análises laboratoriais, pesquisas, desenvolvimentos, inovação e produção de conhecimento, fortalecendo as ações de vigilância em saúde, contribuindo para a promoção e proteção da saúde pública. Além disso, o Lacen/MG é responsável por realizar controles de qualidade, capacitações e supervisões necessárias aos laboratórios da Rede de Laboratórios de Saúde Pública de Minas Gerais (Relsp/MG).

Fonte: Assessoria de Comunicação Social
Funed
<-Voltar